Crítica: Bocca del Capo, no Leblon, tem um pé na Sicília

A cozinha do italiano Bocca del Capo tem um pé na Sicília. Nesses tempos de “orfandade” da série “The White Lotus” (estou nessa), a ideia de conhecer o restaurante do Leblon, endereço que por anos abrigou o Prima Bruschetteria (é dos mesmos donos), me pareceu animadora. Rodei bem o Sul da Itália, então, de olho na tela, um dos meus desafios era identificar os cenários das locações. Matei (opa) alguns. Pena que a mesa siciliana (logo ela) ficou de fora. Cadê a fritata de frutos do mar, o Nero d’Ávola na taça, o cannoli e a cassata para adoçar traições e trapaças? Imperdoável.

O cardápio do Bocca chega lá por perto. Fazem agnolloti de queijo de cabra com pesto trapanese, ao estilo de Trapani, uma das comunas da ilha: tomates maduros com tomates secos, amêndoas e manjericão (R$ 65). Tem fritto, um misto de polvo, camarões e lulas crocantes, que ganhou um aiöli de páprica e um toque cítrico de limão... siciliano (R$ 59).

É divertido ler as descrições dos pratos : tem “molhudo”, “queijudo”, “lambuzante”. O arancino virou “bolão” (e é mesmo), feito de risoto de cogumelos trufados e queijo puxa Tulha, o exemplar paulista que substitui o parmiggiano. Funciona bem. É chamado de bolão pornô (R$ 36). E faz todo o sentido.

Há outras atrações entre os antipasti, como a crocchetta de bochecha de porco e guanciale (tipo de bacon) servida sobre o chutney de tomate (R$ 42), bem gostosa. E o crudo de manzo tonnato (R$ 55), uma versão estilizado do tonno tonnato, com cubos de carne e o molho de atum — pedimos um reforço do molho e ficou ainda melhor. É finalizado com ovas de tabiko que estalam na boca, para comer com torradinhas.

O milanesa à cavallo é avantajado, no tamanho e no preço (R$ 92): uma peça de carne envolta na casquinha crocante com ovo mole (o “perfeito”) por cima, pesto de cogumelos, salsinha e queijo — o prato é finalizado na mesa pelo garçom, que junta e mistura tudo. Para apetites animados e dispostos. De doces, tem a torta de formaggio com pistache e pêssego fresco (R$ 49), que é adorável — levei para casa o que sobrou. E ainda o cannoli abrasileirado, de queijo de Minas e doce de leite e cachaça(R$ 45).

Na carta de bebidas, há bons brancos e tintos (tem Nero d’Ávola) e nove (sim, no-ve) versões de negroni.

O Bocca não mergulha fundo na cozinha do Sul da Itália. Basta ler o cardápio para deduzir. Põe só o pé, mas com jeito. Então, tá valendo a viagem.

Cotação: Bom.

Bocca del Capo: Rainha Guilhermina 95, Leblon — 3592-0881. Seg a qua, das 12h às 23h. Qui a sáb, das 12h à meia-noite. Dom, das 12h às 22h.