Críticas à CBF, Conmebol e Copa América: como será o manifesto dos jogadores da seleção

·2 minuto de leitura

Os jogadores da seleção brasileira emitirão um comunicado em que se colocam contra a manutenção da Copa América, mesmo que tenham decidido entrar em campo a partir do próximo fim de semana.

A manifestação virá após uma semana conturbada, em que o tema foi tratado com a direção da CBF e o técnico Tite. O treinador se mostrou solidário aos atletas, mas a entidade não cogitou recuar na participação e na realização do evento no Brasil.

Na nota, que promete ser simples e curta, o tom será de desaprovação sobre como a competição foi trocada de sede e mantida, mesmo com a situação da pandemia na Argetina, antiga sede, e no Brasil, sede atual.

Os alvos do comunicado serão a Conmebol, organizadora da Copa América, e a CBF, que abriu as portas para receber o torneio com o aval do governo federal.

Os jogadores prometem deixar claro que ficaram contrariados com a realização da competição independentemente dela ter vindo para o Brasil. Uma vez que nenhum país do continente teria condições de realizá-la. Vale lembrar que a Colômbia, que seria sede junto com a Argentina, saiu de cena em meio a protestos políticos no país.

Houve tentativa de articular um boicote junto às demais seleções, mas os contatos dos jogadores do Brasil não surtiram efeito. A maioria das associações, pelo contrário, emitiu comunicado em apoio à manutenção da Copa América. A ideia da nota conjunta era reforçar que não se tratava de um movimento político, nem nacional, mas sim uma questão humanitária e em comum acordo com os outros elencos das demais seleções.

Outro aspecto, mas este fora de qualquer comunicado, é a insatisfação de parte dos jogadores da seleção brasileira em disputar a Copa América do jeito que ela foi organizada, cientes de que poderiam usar o fim da temporada na Europa para estarem um pouco com suas famílias. Os atletas não têm conseguido estar próximos de seus parentes pois há limitação de viagens entre Brasil e alguns países da Europa.

Segundo o Ge, os jogadores da seleção brasileira ainda ficaram insatisfeitos com a forma que o assunto foi tratado por Rogério Caboclo, que acabou afastado da presidência da CBF no domingo, após denúncias de assédio sexual e moral. Ele esteve na Granja Comary no domingo passado (dia 30 de maio), um dia antes do Brasil ser anunciado como sede da competição, e não falou do tema com os atletas. Ainda de acordo com o ge, os atletas tiveram uma reunião com o cartola na quarta-feira e sugeriram a disputa de partidas adiadas das Eliminatórias na data em que deveria ocorrer a Copa América.