Credit Suisse vai suprimir 9 mil postos de trabalho até 2025

O Credit Suisse declarou guerra às perdas e quer recuperar depois de um período tumultuoso.

O banco suíço anunciou, esta quinta-feira, o aumento de capital de cerca de quatro mil milhões de euros (quatro mil milhões de francos suíços).

A medida faz parte de um ambicioso plano de reestruturação que também prevê um travão a fundo nos custos e a saída de nove mil trabalhadores até 2025.

Contas feitas, 2700 pessoas deverão sair até ao final deste ano, o que corresponde a 5% do atual número de funcionários. Até 2025 está prevista uma redução de 9 mil trabalhadores, reduzindo para 43 mil o número de funcionários.

"É muito importante que nos tornemos mais eficientes, que realmente melhoremos os nossos processos de negócios e eliminemos muita duplicação do sistema. Conseguiremos economizar mais de 17% dos custos do grupo. Haverá cortes de empregos, cerca de 9 mil empregos em todo o mundo ao longo de três anos", sublinhou Axel Lehmann, presidente do conselho de administração do Credit Suisse.

O banco anunciou esta quinta-feira prejuízos de cerca de quatro mil milhões de euros, no terceiro trimestre.

Tem estado envolvido numa série de escândalos e dúvidas sobre a viabilidade.

Está para já a salvo graças à entrada do Banco Nacional Saudita, que vai injetar 1500 milhões de euros, passando a ser o maior acionista, com quase 10%.