Crenças afrodisíacas colocam em perigo as tartarugas marinhas no Panamá; vídeo

Dezenas de tartarugas-oliva foram soltas na areia da praia de Punta Chama, no Panamá, nesta quinta-feira. A espécie protegida enfrenta uma ameaça de extinção: a superstição humana. Seus ovos, colhidos ilegalmente, são vendidos por suas supostas qualidades afrodisíacas.

O destino dessas tartarugas marinhas está na agenda de uma cúpula global sobre vida selvagem na Cidade do Panamá, não muito longe de Punta Chame e seus 500 moradores.

A reunião de países sob a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens (CITES) vai discutir maneiras de combater o roubo e o tráfico de ovos.

Cada ovo tartaruga-oliva, colhido ilegalmente, é comercializado por US$ 0,75 na entrada da cidade de Punta Chama, segundo a AFP.

— Especialmente os homens acham que comendo ovos de tartaruga terão mais prazer sexual — disse Jorge Padilla, conservacionista da ONG Fundação Tortuguias, que coleta e choca os preciosos ovos.

— Os ovos não vão te ajudar. Eles não são afrodisíacos — acrescenta Padilla.

A tartaruga-oliva (Lepidochelys olivacea) está listada como "vulnerável" na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza, com seus números diminuindo.