Cresce adesão de empresários ao movimento que pede volta do horário de verão

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 22.06.2021 - Presidente Jair Bolsonaro durante o lançamento do Plano Safra 2021/2022, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 22.06.2021 - Presidente Jair Bolsonaro durante o lançamento do Plano Safra 2021/2022, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Representantes de empresários dos setores de turismo, bares e restaurantes de São Paulo vão aderir ao movimento iniciado na semana passada para pedir a volta do horário de verão.

A iniciativa é liderada por entidades filiadas à CNTur (Confederação Nacional de Turismo) nos estados de Santa Catarina, Paraná e Bahia.

Eles argumentam que o retorno da mudança no relógio pode beneficiar o turismo nacional, estendendo o horário das atividades ligadas ao setor, além de representar uma economia na energia elétrica diante da preocupação com a crise hídrica.

Para Edson Pinto, da FHORESP (Federação de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Estado de SP), a medida pode favorecer os happy hours e as viagens à praia. "A população de São Paulo fez uma poupança forçada e está com recurso para viagens de curta distância", diz.

O pedido será enviado ao governo, mas deve encontrar resistência, porque a extinção do horário de verão foi uma das primeiras medidas tomadas por Bolsonaro, no início do mandato, em 2019. O presidente defendia que isso ajudaria a elevar a produtividade do trabalhador brasileiro porque favoreceria o relógio biológico, segundo ele.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos