Cresce insatisfação contra caótica mobilização militar na Rússia

(.)

Por Kevin Liffey

LONDRES (Reuters) - O editor pró-Kremlin do canal de notícias estatal RT expressou raiva no sábado porque oficiais de alistamento da Rússia estavam enviando convocação para os homens errados, à medida que a frustração com uma mobilização militar cresce em toda a Rússia.

O anúncio de quarta-feira da primeira mobilização pública da Rússia desde a Segunda Guerra Mundial, para reforçar a vacilante invasão da Ucrânia, desencadeou uma corrida para a fronteira por homens elegíveis, a prisão de mais de 1.000 manifestantes e reação negativa da população.

Agora, também está atraindo críticas das autoridades entre os próprios apoiadores oficiais do Kremlin, algo quase inédito na Rússia desde que a invasão começou há sete meses.

"Foi anunciado que os soldados podem ser recrutados até a idade de 35 anos. As convocações vão para pessoas de 40 anos", disse a editora-chefe da RT, Margarita Simonyan, no Telegram. "Eles estão enfurecendo as pessoas, parece de propósito."

Em outro raro sinal público de divergência, o Ministério da Defesa russo disse que o vice-ministro encarregado da logística, o general de quatro estrelas Dmitry Bulgakov, foi substituído "para transferência para outro cargo".

A Rússia conta oficialmente milhões de ex-recrutas como reservistas - potencialmente quase toda a população masculina em idade de lutar - e o decreto anunciando a "mobilização parcial" não deu critérios para quem seria convocado.

Autoridades disseram que são necessários 300.000 soldados, com prioridade para pessoas com experiência militar recente e habilidades vitais. O Kremlin negou relatos de dois meios de comunicação russos baseados no exterior - Novaya Gazeta Europe e Meduza - de que o alvo real é mais de 1 milhão.

Relatos surgiram de homens sem experiência militar ou em idade militar que receberam subitamente papéis de convocação.

O chefe do Conselho de Direitos Humanos do Kremlin, Valery Fadeyev, afirmou que escreve ao ministro da Defesa, Sergei Shoigu, para resolver urgentemente os problemas da mobilização.

Sua postagem criticou a forma como as isenções foram aplicadas e listou vários casos de alistamento inadequado, incluindo enfermeiras e parteiras sem experiência militar.

Desde quarta-feira, as pessoas estão em filas por horas para atravessar a Mongólia, Cazaquistão, Finlândia ou Geórgia, com medo de que a Rússia possa fechar suas fronteiras, embora o Kremlin tenha dito que os relatos de um êxodo são exagerados.

O governador da região russa da Buriácia, na fronteira com a Mongólia, reconheceu que alguns receberam documentos por engano e disse que aqueles que não serviram no exército ou que tiveram isenções médicas não seriam convocados.

A mobilização e a organização apressada dos chamados referendos sobre a adesão à Rússia em territórios ucranianos ocupados neste fim de semana vieram logo após uma ofensiva ucraniana relâmpago na região de Kharkiv - o revés mais acentuado de Moscou na guerra de sete meses.

O grupo antiguerra Vesna convocou as redes sociais para novas manifestações em toda a Rússia na noite de sábado, após mais de 1.300 manifestantes serem presos em 38 cidades, segundo o grupo de monitoramento independente OVD-Info.

O Ministério do Interior da região russa da Ossétia do Norte aconselhou as pessoas a não tentarem deixar o país para a Geórgia no posto fronteiriço de Verkhny Lars, onde disse que 2.300 carros estavam esperando para atravessar.