Cresce na CBF expectativa por pedido de demissão de Tite após jogos das Eliminatórias

·2 minuto de leitura

No tabuleiro de xadrez que opõe, de um lado o presidente da CBF, Rogério Caboclo, e do outro, jogadores e comissão técnica da seleção brasileira, cresce a expectativa, dentro da entidade, de que Tite possa pedir demissão depois do jogo contra o Paraguai, terça-feira, pelas Eliminatórias para a Copa do Qatar.

A crise gerada pela transferência da Copa América para o Brasil, admitida pelo próprio treinador na quinta-feira, na entrevista coletiva às vésperas do jogo contra o Equador, pode ser a gota d'água na trajetória de Tite na seleção.

Leia também:

Gerou insatisfação a maneira como Rogério Caboclo conduziu as conversas para receber a competição no país, depois das desistências de Colômbia e Argentina. Os lideres do grupo de jogadores, o que inclui Alisson, Thiago Silva, Casemiro e Neymar, se manifestaram e o elenco teve reuniões tanto com a comissão técnica, quanto com o dirigente. Tite e sua comissão técnica se posicionaram totalmente a favor dos jogadores.

O caso se soma a outros dois episódios que incomodam o treinador: a crise institucional vivida pela entidade desde que Caboclo passou a ser ameaçado por uma funcionária, que diz ter sido alvo de comportamento inadequado do dirigente. E o vazamento em reportagem da ESPN de uma conversa entre Caboclo e Edu Gaspar, então coordenador da seleção, depois da Copa da Rússia, em 2018, em que o dirigente faz duros questionamentos ao trabalho do técnico e de sua comissão técnica, em especial o auxiliar Cleber Xavier, braço direito do treinador.

A ordem de Tite é manter a concentração total nos dois próximos compromissos da seleção brasileira, nesta sexta-feira, contra o Equador, e terça-feira, contra o Paraguai, pelas Eliminatórias. O Brasil é líder, com quatro vitórias em quatro partidas. Tite prometeu que tanto ele quanto os jogadores deverão se manifestar mais claramente a respeito da crise depois dos jogos.

Alternativas a Tite

No outro lado da trincheira, Rogério Caboclo e seus aliados aguardam os próximos passos de Tite. Em caso de pedido de demissão, já existe uma alternativa no horizonte: o nome do técnico Renato Gaúcho agrada.

O treinador está sem clube desde que deixou o Grêmio, em abril, e já manifestou diversas vezes seu desejo de treinar o Brasil. O bom trabalho no tricolor gaúcho, em que foi campeão da Copa do Brasil, da Libertadores e da Recopa Sul-Americana, traria respaldo junto a torcida e imprensa.

Outra caminho no horizonte é ir ao mercado atrás de um treinador estrangeiro. Rogério Caboclo já se mostrou favorável a ideia de abrir mão de profissionais brasileiros na seleção ao tentar a contratação do espanhol Xavi para fazer parte da comissão técnica de Tite.