Cresce o voto de protesto na Bulgária, diante de um governo fragilizado

·3 minuto de leitura

Os búlgaros, que votaram neste domingo (10) pela segunda vez em três meses nas eleições legislativas, criaram um novo partido anti-establishment, liderado por um cantor e apresentador de televisão, em estreita ligação com os conservadores do ex-primeiro-ministro Boyko Borisov, enfraquecido por acusações de corrupção.

De acordo com diferentes pesquisas de boca de urna, ambos teriam entre 21% e 23% dos votos, num quadro de forte abstenção.

As eleições foram realizadas na esperança de que os resultados permitissem a formação de uma coalizão estável após uma década no poder do conservador Borisov, de 62 anos.

Foi um retrocesso para o partido Gerb de Borisov, que obteve 26% dos votos nas eleições anteriores, enquanto a formação de Slavi Trifonov, de 54 anos, "Há um e tal povo" (ITP), registou um avanço em comparação com os 17,6% alcançados antes.

A grande incógnita é se os partidos serão capazes de se entender desta vez para formar uma coalizão.

Segundo especialistas, Borisov "não vai governar porque está isolado", mesmo que o partido Gerb acabe sendo o primeiro.

Desde então, o presidente de 62 anos perdeu terreno para a avalanche quase diária de revelações sobre a corrupção que corrói o país mais pobre da União Europeia.

Também é afetado pela imposição de sanções americanas aos oligarcas, que seus detratores acusam de ter encoberto.

- 'Com a corda em volta do pescoço' -

Embora Gerb esteja em primeiro lugar, "ele não governará", ressalta o cientista político Strahil Deliyski, porque os outros partidos o rejeitam.

"O que está em jogo, portanto, é se as eleições levarão um governo a continuar a tarefa iniciada pela equipe interina de mudar" as práticas, diz Antony Todorov, professor da New Bulgarian University.

A formação populista de Trifonov (ITP) recusa-se a colaborar com os partidos tradicionais atormentados pela corrupção, como os socialistas ou o partido da minoria turca.

Pelo contrário, concorda em negociar com as formações que apoiaram as manifestações do ano anterior como a Bulgária Democrática (direita), que obteve 13% segundo as primeiras estimativas, e "Levanta-te! Fora a máfia" (esquerda), que teria cerca de 5%.

No entanto, as três forças juntas ganhariam apenas entre 100 e 110 assentos dos 240 no Parlamento, de acordo com os institutos de análise, o que pressagia um quadro fragmentado.

"Para alcançar um governo estável ... não podemos descartar a possibilidade de uma terceira ou mesmo uma quarta eleição", disse o número dois de Trifonov, Tochko Yordanov, que deseja evitar "um gabinete com a corda em volta do pescoço que o faria expor-se a todo o momento para ser derrubado pelo Parlamento".

- Eleitores subornados -

“O Estado não entraria em colapso, é o processo democrático”, relativiza Yordanov ao final da discreta campanha de seu líder, que a priori não aspira ao cargo de primeiro-ministro.

Todorov discorda: "Os eleitores se cansarão de votar, seu apoio à democracia diminuirá", estima ele, alertando que há o risco de surgirem forças extremistas.

O fundador da coligação Bulgária Democrática, Hristo Ivanov, o terceiro homem nestas eleições, também destaca o perigo de uma "espiral de eleições".

As máquinas de votação foram instaladas na maioria das assembleias de voto para estas novas eleições, a fim de limitar a fraude.

O gabinete interino também atacou uma prática antiga, a compra de votos pelos partidos políticos, que atinge entre 5% e 19% dos votos, segundo a ONG Fundo Anticorrupção.

Mais de 900 pessoas foram presas nas últimas semanas por supostamente tentarem subornar eleitores, especialmente em áreas pobres, anunciou o ministro do Interior, Boyko Rachkov, na sexta-feira.

Em troca da votação, propuseram “lenha, pacotes de farinha e lentilha, ou mesmo dinheiro, entre 20 e 50 levas (11 a 29 dólares)”.

vs/anb/erl/mr/eg/mis/gf/ic

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos