Cresce tensão política na Argentina após medidas mais rígidas para conter Covid-19

Eliana Raszewski
·2 minuto de leitura
Manifestantes protestam contra medidas decretadas para conter a Covid-19 em Buenos Aires

Por Eliana Raszewski

BUENOS AIRES (Reuters) - As autoridades da capital argentina, Buenos Aires, disseram nesta quinta-feira que irão recorrer à Justiça contra as medidas de restrição mais rígidas contra a Covid-19 e o fechamento de escolas dentro e nos arredores da cidade determinados pelo governo federal.

O prefeito de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta, criticou o governo nacional por causa de medidas novas que incluem uma interdição de duas semanas das escolas e restrições à circulação depois das 20h na área metropolitana populosa, que é um foco de casos novos de coronavírus.

"Ontem, o governo nacional decidiu quebrar o mecanismo de diálogo e consenso que tivemos durante mais de um ano", disse Larreta em uma coletiva de imprensa. "Quero ser muito claro: não fomos consultados sobre nenhuma das medidas tomadas".

Larreta, que faz oposição ao presidente de centro-esquerda Alberto Fernández, prometeu fazer tudo que puder para manter as escolas abertas. Ele pediu conversas imediatas com Fernández e disse que sua gestão levará a questão à Suprema Corte.

"Discordamos totalmente da decisão do governo nacional de fechar escolas... sabemos o estrago que escolas fechadas causam", disse.

"Os meninos e as meninas de Buenos Aires têm que estar nas salas de aula na segunda-feira. Temos três ou quatro dias para fazer tudo em nossos poder para conseguir isto".

Na quarta-feira, Fernández disse que a Argentina precisa "ganhar tempo" na luta contra a Covid-19 porque os casos atingiram um recorde nesta semana, com uma das maiores médias diárias de infecções per capita da região.

"O vírus está nos atacando, e está longe de ceder", disse o presidente, ao anunciar medidas que levarão ao fechamento das escolas da grande Buenos Aires a partir de segunda-feira e à suspensão de atividades esportivas, recreativas, religiosas e culturais em ambientes fechados até 30 de abril.

A Argentina acumula um total de 2,6 milhões de infecções de coronavírus e 58.542 mortes e está sendo atingida por uma segunda onda de casos, como outros países da América Latina.