Crianças de 5 anos morrem mais por Covid-19 no Brasil entre grupo a ser vacinado, aponta levantamento

·4 min de leitura

RIO — As crianças de 5 anos foram as que mais morreram no Brasil em decorrência da Covid-19 desde o início da pandemia no país, segundo dados contabilizados pelos Cartórios de Registro Civil. Entre março de 2020 e janeiro deste ano, foram notificados 65 óbitos por coronavírus nesta idade, de um total de 324 vítimas da doença na faixa etária de 5 a 11 anos, a que será contemplada pelo plano nacional de vacinação infantil previsto para começar a partir da próxima sexta-feira.

A vacinação infantil foi autorizada em dezembro pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas a decisão enfrentou resistência do governo. Após consulta pública, o Ministério da Saúde definiu que não vai exigir receita médica para a imunização das crianças entre 5 e 11 anos, conforme pretentido inicialmente. A autorização dos pais também será apenas uma recomendação, e não obrigatória como havia sido anunciado.

Dados compilados do Portal de Transparência de Registro Civil mostram que as crianças de 6 anos foram o segundo grupo mais afetado entre a faixa etária infantil, com 47 mortes por Covid-19. Em seguida, vêm as que possuem 7 e 11 anos, ambas com 46 óbitos cada. Houve ainda 43 vítimas com 10 anos, 40 com 9 anos, e 37 com 8 anos.

Segundo o pediatra e infectologista Renato Kfouri, presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria, apesar dos números, não há muita diferença em relação a formas graves da Covid-19 nessa faixa etária entre 5 a 11 anos. Crianças menores de 2 anos, ao contrário, estariam mais vulneráveis em razão da imunidade ainda imatura.

— Dentro da pediatria, os extremos são os que têm formas mais graves. Os menores de 2 anos e os maiores de 11 anos, já dentro da adolescência. Entre os de 2 anos e 10 anos, praticamente não há muita diferença. O risco dobra entre menores de 2 anos e maiores de 11 quando se compara com os de 2 a 10 anos. Mas não há muita diferença entre 5, 7 ou 9. É mais ou menos muito semelhante. Em geral, é isso que a gente vê nas curvas de distribuição de faixa etária de formas graves — afirma.

Entre os estados brasileiros, São Paulo, o mais populoso do país, respondeu percentualmente por 22,8% dos óbitos de crianças nesta faixa etária, seguido por Bahia (9,3%), Ceará (6,8%), Minas Gerais (6,5%), Paraná (6,2%), Rio de Janeiro (5,9%) e Rio Grande do Sul (4%). Amapá, Mato Grosso e Tocantins foram as unidades que registraram o menor número de óbitos na faixa etária.

Segundo dados do governo, 301 crianças morreram em decorrência da Covid-19 doença desde a chegada do coronavírus até o dia 6 de dezembro, o que, em 21 meses de pandemia, significa 14,3 mortes por mês ou uma a cada dois dias.

Críticas do presidente

O presidente Jair Bolsonaro criticou na última quinta-feira a autorização de imunizantes contra a Covid-19 para crianças entre 5 e 11 anos, questionando "qual o interesse das pessoas taradas por vacina". O chefe do Executivo disse que os pais de crianças não devem se deixar levar pela "propaganda" e afirmou desconhecer casos de óbitos causados pela doença nessa faixa etária.

Após a fala de Bolsonaro, a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) repudiou as declarações e afirmou que "o discurso pode causar hospitalizações, mortes e sofrimento evitáveis".

"Ao deturpar informações apresentadas por renomados cientistas na audiência pública, menosprezar as sérias complicações da doença na população infantil — ignorando centenas de óbitos — e criar artifícios para adiar o início da vacinação, o mandatário cria um desnecessário clima de medo, que pode motivar inúmeros pais ou responsáveis a não levarem suas crianças às salas de vacinação", disse a entidade em nota.

Dois dias antes dos ataques de Bolsonaro, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) defendeu a vacinação infantil em posicionamento interpretado como um recado ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ex-presidente da entidade. Em nota, a SBC citou que ao menos 16 países, entre eles Alemanha, Argentina, Canadá, China, Espanha, EUA e Israel, já vacinam menores de 12 anos.

Ao todo, são cerca de 20 milhões de crianças com idade entre 5 e 11 anos no Brasil. Isso significa que para a imunização completa, com duas doses, são necessárias 40 milhões de vacinas. Como mostrou O GLOBO, a previsão é que cerca de 3,7 milhões de doses pediátricas cheguem ao país em janeiro. O montante deve alcançar 20 milhões até o fim do primeiro trimestre. Se essa previsão se mantiver, irá demorar ao menos três meses para imunizar todas as crianças com ao menos uma dose. O intervalo entre as doses será de oito semanas — prazo maior que o de três semanas aprovado na bula da Anvisa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos