Crianças de abrigos do Rio visitam Cristo para divulgar campanha de incentivo à adoção tardia

A menos de um ano para completar a maioridade, Matheus Gabriel, que nunca conheceu os pais biológicos, ainda sonha ter uma família. Maria Beatriz, de 10, teve mais sorte. Adotada há pouco mais de uma semana, vive seus últimos dias num abrigo da Tijuca, na Zona Norte. Os dois conheceram o Cristo Redentor na manhã desta quinta-feira, com outras 32 garotos entre 5 e 17 anos. A iniciativa faz parte de uma campanha do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ) destinada a incentivar a chamada adoção tardia.

De braços abertos para novas famílias: crianças do cadastro de adoção visitam o Cristo Redentor

Dificuldade para encontra um lar: Rio tem 283 acolhidos aptos para adoção e mais de 3 mil interessados, mas mesmo assim a conta não fecha; saiba por quê

— Muitas crianças têm dificuldade de serem adotadas porque não estão no perfil desejado pelos habilitados para a adoção, que não é a nossa realidade — explica o juiz Sérgio Luiz Ribeiro da 4ª Vara da Infância, de Juventude e do Idoso, acrescentando que a campanha De braços abertos para a adoção, que está na sua terceira edição, mostra as crianças reais que estão aguardando nos abrigos para serem acolhidas por uma família.

Segundo o juiz, o perfil preferido pelas pessoas habilitadas para adoção são as crianças de zero a três anos, sem irmãos nem problemas de saúde. Dados do Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA) do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) mostram que, no estado do Rio, existem 254 crianças e adolescentes habilitados para adoção que não atendem a essas exigências. Do total, 83,1% são declaradas pardas ou pretas, a maioria é do sexo masculino (59,7%) e mais da metade tem mais de 8 anos de idade.

Aniversário de ponto turístico: Bondinho faz 110 anos e ganha de presente música de Menescal, mais diversidade na sua operação e promessa de tirolesa radical

Matheus tem um irmão de 12 anos, de quem só tomou conhecimento no abrigo. Os dois chegaram a ser adotados por uma família da Zona Oeste do Rio, com a qual o adolescente viveu por 10 anos, mas conflitos familiares o levaram de volta ao abrigo há 4 anos.

— Ainda sonho ter uma família, de preferência que compreenda e aceite o meu jeito de ser. Mas o desejo maior é um dia conhecer meu pais biológicos.

A incompreensão da família levou Emanuel, de 16 anos, para um abrigo em Campo Grande, há nove meses.

Combate à irregularidade: Prefeitura do Rio faz operação para retirar veículos que funcionam como depósitos na orla da Zona Sul

— Tenho fé de que ainda vou conseguir uma família que me aceite como sou — afirmou o jovem.

José, de 17 anos, que está no abrigo há dois anos, tem um sonho: cursar Direito, para se tornar advogado e lutar pela causa da adoção tardia.

— Quero ajudar as crianças que enfrentam essa situação — revelou.

A maioria das crianças e adolescentes visitou o monumento pela primeira vez. O grupo foi à Capela de Nossa Senhora Aparecida, conheceu um pouco da história do Cristo Redentor e voltou para os abrigos levando presentes.

Triste estatística: Após período de queda, mortes durante roubos sobem em outubro no estado

— Fiquei muito feliz (com a visita). Estava ansiosa — contou Kauanny, de 11 anos, há dois meses num abrigo na Tijuca.

O presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Henrique Carlos de Andrade Figueireira, destacou a importância do evento e a necessidade de chamar a atenção para a adoção tardia:

—Toda ação é sempre válida para chamar a atenção para nossas crianças e as dificuldades que elas enfrentam na vida.