Criança de 2 anos é internada após ser agredida; suspeito, padrasto está foragido

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Criança está internada após ser agredida - Foto: Reprodução/TV Globo
Criança está internada após ser agredida - Foto: Reprodução/TV Globo
  • Criança de apenas dois anos foi hospitalizada após sofrer agressão

  • A babá da menina ouviu seus gritos e encontrou-a desacordada no colo do padrasto

  • O companheiro da mãe da criança fugiu antes da chegada da polícia e segue foragido

Uma criança de apenas dois anos foi internada em Betim, na Grande Belo Horizonte, após ser agredida em sua própria residência. Principal suspeito, o padrasto da criança está foragido.

Leia também

O caso aconteceu na noite da última segunda-feira e foi divulgado pelo G1. Em depoimento à polícia, a babá da garota contou que trabalhava na cozinha quando ouviu os gritos da criança. Ao chegar ao quarto, encontrou-a no colo do padrasto, desacordada.

Ainda de acordo com a mulher, a menina apresentava lesões na região da cabeça. Ela começou a gritar por socorro e recebeu ajuda de uma vizinha, que é técnica de enfermagem.

Mais um caso de violência infantil no Brasil - Foto: Getty Images
Mais um caso de violência infantil no Brasil - Foto: Getty Images

A criança foi levada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da região, onde foram diagnosticadas lesões no rosto e na orelha. Ela foi reanimada e intubada, antes de ser transferida para o Hospital Municipal de Contagem.

A Polícia Militar explicou que o padrasto da garota fugiu antes da chegada dos agentes e continua desaparecido. Já a mãe da menina, que atua como cuidadora de idosos, contou que estava no trabalho no momento da agressão.

Violência infantil

Trata-se de mais um caso de violência infantil registrado neste ano. Recentemente, o garoto Henry Borel, de apenas quatro anos, morreu após sofrer agressões dentro da própria casa. Sua mãe, Monique Medeiros, e o padrasto, o vereador Dr. Jairinho, foram presos.

Mais recentemente, uma menina de seis anos morreu após ser agredida e torturada pela mãe e a madrasta em Porto Real, no Sul Fluminense. As duas mulheres também foram presas.