Briga por camisa de time termina com criança de 3 anos baleada na cabeça

Antes do crime, a polícia foi chamada para conter briga em um bar. (Foto: Getty Creative)
Antes do crime, a polícia foi chamada para conter briga em um bar. (Foto: Getty Creative)

Uma criança de três foi atingida por um tiro na cabeça na noite deste sábado (13) em Goiânia (GO). O tio do menino, um rapaz de 19 anos, que seria o alvo dos criminosos, também foi baleado.

Eles foram socorridos e levados para o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage (Hugol), onde seguem internados. A criança está em estado gravíssimo e o tio tem quadro estável.

De acordo com a Polícia Militar, três homens chegaram de carro atirando na direção do tio do menino, que foi atingido na perna e nas costas. Eles teriam tido uma desavença por causa de uma camisa de time no mesmo dia em que cometeram o crime. A briga teria ocorrido durante um evento em uma distribuidora de bebidas, na tarde de sábado.

Após o ato, os suspeitos fugiram e deixaram o carro, um Cerato vermelho, em uma casa. Eles, então, seguiram com um motorista de aplicativo para outro bairro da capital. Os homens foram identificados e presos pela PM, que encontrou, duas pistolas e drogas no local.

O veículo que foi usado no crime também foi apreendido. Segundo a PM, os homens confessaram os crimes.

“Em menos de duas horas conseguimos chegar até eles. Eram traficantes e todos têm antecedentes criminais”, explicou ao portal "Metrópoles" o tenente-coronel Batista, do 42 º Batalhão da PM.

Desavença

Uma testemunha, que estava na distribuidora de bebida vestida com uma camisa de futebol do Goiás, contou para a polícia que foi abordada por uma pessoa que dizia ser do time Vila Nova. De acordo com ela, a pessoa teria dito: “Você quer que eu tire sua camisa no revólver?”.

A fala teria motivado uma discussão envolvendo várias pessoas do local e o tio da criança teria tentado tomar a camisa do Góias da mulher, que é parente de um dos atiradores.

A polícia foi chamada ao local nesse momento e conseguiu cessar a confusão.

“Mais tarde, (o atirador) chamou dois amigos. Desceram do carro já disparando contra (o tio da criança)”, explicou o tenente-coronel.