Crianças mortas em atentado a creche são enterradas lado a lado em SC

·5 minuto de leitura
Além delas, também foram enterradas no mesmo cemitério as duas professoras da creche vítimas do ataque (Foto: Reprodução/ NSC TV)
Além delas, também foram enterradas no mesmo cemitério as duas professoras da creche vítimas do ataque (Foto: Reprodução/ NSC TV)
  • As três crianças mortas no atentado a creche em Saudades (SC) foram enterradas lado a lado no Cemitério Municipal da cidade

  • Além delas, também foram enterradas no mesmo cemitério as duas professoras da creche vítimas do ataque

  • Na terça-feira (4), um adolescente de 18 anos, identificado como Fabiano Kipper Mai, invadiu a creche onde as vítimas estavam e matou as cinco pessoas com um facão

As três crianças mortas no atentado à escola infantil Pró-Infância Aquarela em Saudades, município localizado no interior de Santa Catarina, foram enterradas lado a lado no Cemitério Municipal da cidade. O sepultamento aconteceu na manhã desta quinta-feira (5). 

Além delas, também foram enterradas no mesmo cemitério as duas professoras da creche vítimas do ataque. A cerimônia reuniu familiares e amigos das vítimas e começou por volta da 11h.

Leia também

Na terça-feira (4), um adolescente de 18 anos, identificado como Fabiano Kipper Mai, invadiu a creche onde as vítimas estavam e matou as cinco pessoas com facadas.

O velório teve início às 23h do mesmo dia e ocorreu no Parque de Exposições Theobaldo Hermes. Por volta das 4h desta quarta (5), familiares e amigos dos mortos fizeram uma pequena celebração. Às 9h, uma missa de corpo presente reuniu várias pessoas no local.

Quem são as vítimas

  1. Keli Adriane Aniecevski, de 30 anos, era professora e dava aulas na unidade há cerca de 10 anos;

  2. Mirla Renner, de 20 anos, era agente educacional na escola e aluna da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc);

  3. Sarah Luiza Mahle Sehn, de 1 ano e 7 meses;

  4. Murilo Massing, de 1 ano e 9 meses;

  5. Anna Bela Fernandes de Barros, de 1 ano e 8 meses.

O que se sabe até agora:

  • Um homem de 18 anos invadiu a escola com duas facas na manhã de terça (4);

  • A creche fica na cidade de Saudades (SC), 600km de Florianópolis, e atende crianças de 6 meses a 2 anos;

  • 20 crianças estavam no local sob os cuidados de 5 professoras;

  • A primeira pessoa que o assassino atacou foi a professora Keli Adriane Aniecevski. Mesmo ferida, ela correu para uma sala, onde estavam quatro crianças e a agente educativa Mirla Renner, de 20 anos;

  • O homem chegou até a sala e continuou os ataques, matando Keli e três crianças. Mirla chegou a ser socorrida, mas não resistiu;

  • Todas as vítimas foram atingidas com, pelo menos, cinco golpes de facão;

  • O assassino tentou entrar em todas as salas da creche, mas professoras conseguiram se trancar e proteger as crianças;

  • Na casa do assassino, a polícia encontrou R$ 11 mil e duas embalagens de facas novas;

  • O delegado responsável do caso definiu o adolescente assassino como "problemático";

  • A única sobrevivente do ataque é uma criança de 1 ano e 8 meses, que está na UTI.

Keli Adriane Aniecevski (à esquerda) e Mirla Renner morreram uma escola infantil de Saudades (SC), após um ataque à faca (Foto: Reprodução/Redes Sociais)
Keli Adriane Aniecevski (à esquerda) e Mirla Renner morreram uma escola infantil de Saudades (SC), após um ataque à faca (Foto: Reprodução/Redes Sociais)

Como foi a chacina

As investigações policiais apontam que o criminoso chegou à Escola Municipal Infantil Pró-Infância Aquarela, de bicicleta, por volta das 10h. Ele atingiu duas professoras e alguns alunos usando a arma branca.

Segundo testemunhas, o homem entrou na sala de aula e começou a dar golpes nos estudantes e professoras. As vítimas gritaram por socorro, quando pessoas que estavam passando na rua entraram na escola e detiveram o criminoso.

Em entrevista à TV Globo, uma professora que não estava na escola no momento do ataque, mas ajudou a socorrer as vítimas, afirmou que outros professores trancaram as salas para evitar que o criminoso encontrasse outras crianças.

Ainda segundo o depoimento à polícia de pessoas que presenciaram a agressão, o jovem disse ter sofrido bullying, mas que não tinha estudado na creche. A escola atende crianças de 6 meses a 2 anos de idade.

Uma professora e duas crianças morreram antes mesmo de serem socorridas.

Segundo a polícia, o agressor não tem antecedentes criminais e já tinha sido imobilizado quando os agentes chegaram para atender a ocorrência.

Ao menos cinco pessoas morreram em ataque a facadas em escola de educação infantil de Saudades (SC) (Foto: Polícia Militar de Santa Catarina)
Ao menos cinco pessoas morreram em ataque a facadas em escola de educação infantil de Saudades (SC) (Foto: Polícia Militar de Santa Catarina)

Responsável por chacina em SC:era “problemático e sofria bullying”

Responsável pela investigação da chacina de Saudades, o delegado Jerônimo Maçal Ferreira traçou um perfil do jovem responsável pelas cinco mortes da manhã da última terça-feira. De acordo com o agente, o adolescente de 18 anos é “problemático” e sofria bullying na infância.

“Um rapaz problemático, sofria bullying na escola, era muito introspectivo e quase não tinha amigos”, declarou. “Era um rapaz ‘quietão’, não se abria com ninguém, não tinha namorada, não tinha celular, os poucos amigos que tinha já haviam se afastado nos últimos dias.”

Fabiano tentou suicídio

Após os assassinatos, o criminoso deu facadas contra o próprio pescoço, abdome e tórax. Ele foi socorrido e encaminhado, em estado gravíssimo, para um hospital da região.

Fabiano foi submetido a cirurgia e segue lutando pela vida. Por isso, a polícia ainda não conseguiu colher seu depoimento.

“Ainda não consegui (interrogá-lo) porque ele está sendo submetido a uma cirurgia. Quero ver o que ele vai contar para juntarmos com peças de investigação com a versão dele para tentar entender a motivação desse crime”, explicou Jerônimo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos