Criminoso é morto após fazer mulher refém em tentativa de assalto em Angra dos Reis

·2 minuto de leitura
  • Trio tentava assaltar uma loja de celulares quando a polícia chegou ao local

  • Dois criminosos se entregaram, mas um terceiro fez uma funcionária refém para sair do estabelecimento

  • Em um momento de distração, ele acabou baleado e morto por um policial à paisana

Uma tentativa de assalto terminou com a morte de um dos criminosos em Angra dos Reis, Rio de Janeiro, nesta quarta-feira. O rapaz foi baleado pela Polícia Civil enquanto fazia uma mulher refém.

O caso aconteceu em uma loja de celulares no Centro, na Rua do Comércio. Um trio de criminosos tentava assaltar o local quando a Polícia Militar foi chamada e os surpreendeu.

Leia também:

Dois dos assaltantes se entregaram imediatamente, mas o terceiro, de 20 anos, saiu do estabelecimento com uma refém. Tratava-se de Vitória Oliveira, funcionária da loja.

Foram minutos de tensão. Cercado por policiais, o criminoso abraçava-se à mulher com uma pistola 9mm apontada para a cabeça dela, que pedia para os agentes não atirarem.

Criminoso fez funcionária refém antes de ser morto - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Criminoso fez funcionária refém antes de ser morto - Foto: Reprodução/Redes Sociais

O assaltante foi caminhando com a refém, tentando distanciar-se da polícia. Após dois quarteirões, porém, um policial civil, que estava à paisana, aproveitou momento de descuido do criminoso e o baleou.

Vitória foi liberada, e o criminoso chegou a ser socorrido e levado para o Hospital da Japuíba, mas não resistiu aos ferimentos e teve a morte confirmada momentos depois.

Dois dos criminosos foram presos e levados para a delegacia - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Dois dos criminosos foram presos e levados para a delegacia - Foto: Reprodução/Redes Sociais

O agente responsável pelos disparos declarou à TV Rio Sul que efetuou três disparos e que ao menos um deles atingiu a cabeça do assaltante.

Os outros dois criminosos que invadiram a loja foram levados para a delegacia de Angra. Um quarto integrante da quadrilha, que esperava os comparsas em um carro do lado de fora, conseguiu fugir e continua sendo procurado.

“Foi muito difícil”, diz refém

Vitória Oliveira foi às redes sociais para comentar o ocorrido e celebrar o fato de ainda estar viva. Em seu Instagram, agradeceu pela “preocupação e carinho”.

Em um vídeo publicado também nas redes sociais, afirmou que foi um episódio “muito, muito, muito difícil”. “Graças a Deus não aconteceu nada pior. Poderia ter sido muito pior, mas não. Eu estou bem.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos