Criminosos levam celulares em arrastões em bares no centro de São Paulo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Clientes e funcionários de dois bares na Santa Cecília, no centro de São Paulo, tiveram seus aparelhos celulares roubados durante dois arrastões que ocorreram em menos de uma semana.

Os casos aconteceram em bares nas ruas Frederico Abranches e Jesuino Pascoal. Os estabelecimentos estão a menos de 500 metros um do outro.

O ataque mais recente foi por volta das 21h de sábado (14). Três ladrões armados chegaram ao bar e exigiram que as pessoas que estavam na parte externa entrassem no estabelecimento. Os bandidos exigiram, então, os celulares dos clientes.

Segundo um dos responsáveis pelo bar, que pediu para não ser identificado, cerca de 20 telefones foram levados durante a ação.

Conforme o empresário, foi a primeira vez em aproximadamente cinco anos que seu comércio sofreu algo do tipo.

O outro caso foi registrado na última terça-feira (10). De acordo com um responsável pelo local, três homens, um deles armado, invadiram o bar por volta das 17h30.

Naquele momento, ainda não havia clientes. Os bandidos levaram três celulares de funcionários e outros três que eram usados para contato com clientes.

Em ambos os casos, os responsáveis afirmaram ter registrado boletim de ocorrência.

A região de Santa Cecília é um polo gastronômico da região central. A reportagem percorreu, na tarde desta segunda-feira (16), as ruas Frederico Abranches, Canuto do Val, Fortunato e Dona Veridiana.

Conforme relatos de funcionários, não se tem notícia de outros arrastões na região. Ainda segundo eles, é comum o furto de celulares e o crime muitas vezes é cometido por bandidos em bicicletas.

Reportagem da Folha de S.Paulo publicada em dezembro mostrou que os roubos e furtos na região central, especialmente na Santa Cecília, dispararam entre janeiro a outubro.

O 77° DP (Santa Cecília) registrou seus maiores números de roubo e furto desde 2002, quando teve início a série histórica.

A delegacia, que fica na alameda Glete, a menos de 1 km dos locais assaltados, apresentou aumento de 16% na quantidade de roubos e de 27% na de furtos, também comparado o saldo dos dez meses de 2021 com o de 2019, período antes da pandemia.