Criminosos se passam por Aras para aplicar golpe, diz MPF

·2 minuto de leitura

O Ministério Público Federal (MFP) informou nesta quinta-feira que criminosos estão usando nome e foto do procurador-geral da República, Augusto Aras, para aplicar golpes Segundo o órgão, os golpistas enviam mensagens atribuídas a Aras pelo aplicativo de conversas WhatsApp, para pedir dinheiro. Os criminosos alegam bloqueio da senha bancária.

Aras deve ser reconduzido, em setembro, para um novo mandato de dois anos à frente da PGR, ainda que não esteja na lista tríplice elaborada pelos próprios procuradores. O desprezo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pela lista não surpreende já que, em 2019, ele também escolheu Aras sem que seu nome constasse nela.

O atual PGR sonhava em ocupar a vaga em aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) após a aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello. No entanto, em reunião ministerial realizada na terça-feira, Bolsonaro disse que indicará o advogado-geral da União, André Mendonça, para o cargo.

Diante da iminência de que Bolsonaro volte a ignorá-la, a lista tríplice registrou este ano o menor número de candidatos desde 2003. Desde que os procuradores passaram a eleger três nomes internamente para apresentar ao chefe do Executivo, essa foi a primeira vez em que apenas um trio postulou o cargo. No último pleito do órgão visando o posto, em 2019, foram dez concorrentes — recorde absoluto de candidaturas.

A subprocuradora-geral da República Luiza Frischeisen foi o nome mais votado para integrar a lista tríplice e tornou-se a primeira mulher a ficar em primeiro lugar na eleição interna do MPF. Uma das principais vozes críticas à atual gestão do órgão, Frischeisen recebeu 647 votos. Atrás dela, ficaram os também subprocuradores Mario Bonsaglia, que teve 636 votos, e Nicolao Dino, com 587.

Veja a nota do MPF:

A Secretaria de Comunicação informa que foi identificada uma tentativa de golpe usando a fotografia do procurador-geral da República, Augusto Aras. São falsas as mensagens espalhadas via WhatsApp atribuindo ao PGR um pedido para que o destinatário da mensagem faça transferência bancária sob a alegação de bloqueio da senha bancária.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos