Crise afeta mais o faturamento de empresários negros no país

Redação Finanças
·1 minuto de leitura
African american businessman working on his laptop at office. Mature business man in formal clothing working at his desk. Smiling black middle aged man sitting in modern office working on computer and checking email.
Cerca de 81% dos negócios liderados por negros teve redução no faturamento
  • Empreendedores negros têm negócios mais afetados pela crise

  • Pesquisa foi feita em fevereiro pelo Sebrae, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas

  • Faturamento foi 81% menor para negros, enquanto para brancos foi de 79%

Empresários negros são mais atingidos durante a crise provocada pela pandemia do coronavírus. Segundo pesquisa com 6,2 mil donos de micro e pequenas empresas no Brasil, feita na última semana de fevereiro pelo Sebrae em parceria com a FGV (Fundação Getúlio Vargas), 81% dos negócios liderados por negros teve redução no faturamento mensal. Já a queda registrada por brancos foi de 79%.

Leia também: 

O levantamento também mostra que o nível de inadimplência entre os empresários negros é de 40%, maior que os 34% do conjunto dos empreendedores. Também houve uma maior dificuldade de conseguir crédito. Apenas 33% conseguiram empréstimos, enquanto a média geral é de sucesso chega a 39%.

Close up african american businessman shaking hands with caucasian client. Handshake is symbol of starting finishing negotiations, successful teamwork signing contract, hiring human resource concept
Entre setembro de 2020 e fevereiro de 2021, inadimplência entre empresários negros subiu de 36% para 40%

Situação em 2020

No fim de setembro de 2020, uma pesquisa parecida mostrou que 76% dos empresários negros viram uma queda de 76% no faturamento, enquanto a queda dos brancos foi de 73%.

Em comparação com o levantamento mais recente, houve um aumento geral das dívidas não quitadas. Entre os brancos o índice foi de 27%, enquanto entre os negros chegou a 36% à época.

Conseguir empréstimos também era mais difícil para os negros. Enquanto 12% conseguiam, 18% dos brancos tinham acesso ao crédito.