Crise da Americanas atinge mais de mil fundos. Entenda e veja como saber se sua aplicação foi afetada

Pelo menos mais de mil fundos de investimento, entre aqueles de ações, renda fixa, e de investimentos imobiliários, podem ser atingidos com a crise das Americanas.

Segundo levantamento da Economatica, 1093 fundos (616 de ações, 469 de debênutres e oito imobiliários) têm a Americanas na composição das suas carteiras. Os números têm como base os dados da composição da carteira dos fundos de setembro, quando eles disponibilizaram esses dados para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Americanas: Veja tudo que você precisa saber sobre a crise na empresa

Mais um capítulo: Fornecedores começam a suspender entregas à empresa ou cobrar à vista

Dessa forma, é possível que desde então, os fundos tenham comprado ou vendido ações ou debêntures das Americanas, podendo ser mais ou menos afetados.

No caso das debêntures, só são consideradas no levantamento aquelas precificadas pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Dessa forma, o número de fundos pode ser maior.

O que são os fundos?

Os fundos de investimentos funcionam como cestas de ativos. Eles são administrados por um gestor, normalmente com a cobrança de uma taxa de administração, e podem aplicar o dinheiro dos cotistas em diversos ativos diferentes, a depender do tipo do fundo e do seu perfil de risco.

R$ 333 milhões: Americanas pagou dividendo recorde antes de anunciar rombo no balanço

Os fundos podem estar expostos à varejista por possuírem ações da própria Americanas, dívidas emitidas pela empresa ou terem ativos, como imóveis, utilizados pela varejista.

Como os fundos perdem dinheiro?

Os fundos perdem dinheiro com a desvalorização dos ativos da Americanas que possuem em seu portfólio.

No caso dos fundos de ações, por exemplo, eles podem possuir papéis da Americanas, que vem desabando na Bolsa desde o anúncio das inconsistências pela varejista.

Americanas: Rial nega especulações e diz que 'jamais transigiria' com a própria biografia

Os fundos de renda fixa têm debêntures, que são títulos de dívida emitidos pela Americanas. Elas funcionam como uma espécie de empréstimo de capital para uma companhia. Como contrapartida, a empresa se compromete a pagar um montante ao cotista com uma remuneração extra na forma de juros.

As condições são definidas no momento da emissão do produto.

Antes da crise, esses ativos eram vistos como de baixo risco. No entanto, desde o anúncio das “inconsistências contábeis”, a Americanas vem sendo rebaixada por diversas agências de risco.

Os fudos imobiliários (FIIs), por sua vez, podem possuir entre seus ativos, lojas, galpões logísticos, escritórios alugados pela Americanas, dentre outros.

De quanto é o impacto?

O tamanho do impacto vai depender do tamanho da exposição do fundo à varejista. Vale lembrar que eles possuem outros ativos em seus portfólios, o que pode atenuar a queda, e há aqueles que são fechados a poucos cotistas ou a um tipo específico de investidor.

Crise da Americanas: Ação da varejista já não compra nem mais um KitKat, chocolate hit da empresa

Como o investidor pode saber se foi afetado?

O gestor de renda fixa da Empiricus Gestão, Rodrigo Knudsen, explica que o fundo não é obrigado a informar quando quedas abruptas ocorrem, mas destaca que seria um bom costume. Ele ressalta que, em casos de oscilação muito anormal, o administrador do fundo comunica a todos os cotistas.

Fornecedores de pequeno e médio: Impacto pode ser maior

Segundo Knudsen, uma forma do investidor perceber se foi afetado é comparar o desempenho do fundo com relação ao mercado como um todo. Na quinta-feira passada, quando o papel da Americanas tombou 77,33%, o Ibovespa caiu apenas 0,59%.

—Ele tem que olhar a cota e analisar se há uma movimentação fora do padrão. Ele pode ver o desempenho dos fundos no dia logo após o anúncio. A Bolsa caiu pouco e a Americanas quase 80%. Os fundos que tinham essa ação caíram 6% em um dia que a Bolsa caiu pouco. O investidor consegue perceber olhando a cota diária dos fundos através da plataforma onde ele aplica, e comparando ao mercado.

Riscos diferentes

O analista de fundos de investimento imobiliário da Ativa Investimentos, Gabriel Teixeira, destaca que os riscos para os FIIs são diferentes dos outros tipos de fundo. Ele ressalta que os mais impactados nessa classe foram fundos logísticos que têm algum tipo de exposição à Americanas como locatário.

— Fundos que têm um percentual de receita que dependem mais do locatário Lojas Americanas acabam sofrendo mais. São os dois principais casos: o MAXR11, que tem mais de 30% da receita que advém do locatário Lojas Americanas, e o GGRC11, que tem uma certa exposição de receita à Americanas e está concluindo uma operação de compra de galpões para aumentar a exposição à varejista

Segundo o analista, as perdas ocorrem pelas incertezas do mercado em relação ao futuro da empresa. Mas o fundo pode encontrar outro inquilino caso ocorra uma saída dos imóveis.

— Tem uma flexibilidade maior do que o acionista que tem ações diretas da Americanas ou do credor que tem títulos de dívida.

O que o investidor pode fazer?

Knudsen, da Empiricus, destaca que os investidores que se sintam prejudicados podem tentar se juntar com outros cotistas para pedir uma assembleia extraordinária. No entanto, ele afirma que isso só ocorre em casos onde o gestor não está seguindo o mandato como deveria.

— Como colocar uma posição muito grande de ações em uma empresa quando disse que estaria diversificado. Mas seria em casos extremos e é um processo complicado — exemplifica.

O gestor pondera que no caso da Americanas, a empresa vinha reportando informações incorretas no balanço

Veja os fundos mais expostos em cada classe, segundo o levantamento da Economatica:

Fundos de ações com maior exposição:

Colorado FIA Ie

Beau Soleil FIA Ie

Beta FI Mult Ie Cred Priv

3a FI Mult Cred Priv Ie

Moat Capital B Prev Fife FIA Master

Moat Capital FIA Master

Moat Mult Seg Prev Master FIA

Moat Prev Itau Master FIA

Moat Prev FIA

Sant Pb Stoic Acoes FI - Bdr Nivel I

Fundos comprados em debêntures com mais exposição:

Olian FI Mult Cred Priv Ie

Previ Gm Cred Estrut I FI Mult Cred Priv

Nu Yield FI RF Cred Priv

Sabesprev Vinci Cred Priv FI Mult

Mont Blanc FI RF Cred Priv

Wa Prev Credit RF FI Cred Priv

Fonte Boa FI Mult Cred Priv

Alba Cash Enhanced FI RF Cred Priv

Fundos Imobiliários mais afetados:

Bresco Logistica Fundo de Inve-Unica - BRCO11

Max Retail FII - MAXR11

FII Xp Log - XPLG11

Vinci Imoveis Urbanos - VIUR11

Vbi Logistico FI Imobiliario-Unica - LVBI11

FII Rbr Properties - FII-Unica - RBRP11

Rbr Log FI-Unica - RBRL11

Ggr Covepi Renda FII – GGRC11

Atualização: Uma versão anterior dessa matéria colocava o Verde Am Carry Master FI Mult Cred Priv como um dos fundos de debêntures mais afetados pelo episódio envolvendo a Americanas.

Segundo a assessoria da Verde, a exposição da Verde às debentures da Americanas em 11/01 era de 0,15% nos fundos que seguem a estratégia de Multimercado e 0,30% nos fundos que seguem a estratégia de Multimercado Previdência