Crise das criptomoedas: oportunidade ou sinal de colapso?

Uma tsunami está sacudindo o mercado de criptomoedas. As principais desabaram novamente nesta terça-feira e perderam a marca de US$ 1 trilhão de capitalização de mercado com a venda generalizada de ações e mercados de risco em geral. O bitcoin e outras criptomoedas estão derretendo e testando os nervos dos investidores e mineradores. O Bitcoin, por exemplo, perdeu metade do seu valor em seis meses. A situação se agravou nos últimos dias, arrastando o valor de mercado das criptos para menos de US$ 1 trilhão. Plataformas de negociação interromperam saques, empresas cortaram empregos e investidores desistiram das aplicações. O grau de medo de bitcoin está em nível máximo. O Bitcoin, criptomoeda mais valiosa atualmente, caiu para menos de US$ 23 mil, baixa mais forte em 18 meses, com redução de 15% de seu valor em 24 horas. Já o ethereum, que fica atrás do bitcoin, caiu 17%. A Binance interrompe saques temporariamente, e a plataforma Celsius, de empréstimo com criptoativos, entrou em crise. O mercado de critptomoedas vem enfrentando forte volatilidade nas últimas semanas, refletindo o aumento na taxa de juros dos EUA e também o colapso de alguns ativos do setor, como as moedas Terra e Luna. O valor de mercado de todos os criptoativos, que chegou a US$ 3 trilhões em novembro, agora é de quase um terço disso. No Ao Ponto desta quarta-feira, José Arthur Ribeiro, CEO da Coinext, explica como funciona e o que está acontecendo no mercado de criptoativos, fala dos cuidados necessários antes de entrar nos investimentos e comenta a situação de empresas que estão proibindo saques e contaminando outras criptomoedas.

Publicado de segunda a sexta-feira, às 6h, nas principais plataformas de podcast e no site do GLOBO, o Ao Ponto é apresentado pelos jornalistas Carolina Morand e Roberto Maltchik, sempre abordando acontecimentos relevantes da atualidade. O episódio também pode ser ouvido na página de Podcasts do GLOBO. Você pode seguir a gente em plataformas como Spotify, iTunes, Deezer e também na Globoplay.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos