Crise entre militares e governo é inédita no Brasil e remonta a episódio da ditadura, diz analista

Gustavo Schmitt
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO — O ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa, Alcidez Vaz, vê a demissão da cúpula das Forças Armadas do governo federal como um episódio sem paralelo na história e que marca um afastamento dos militares do presidente Jair Bolsonaro. Para Vaz, a crise institucional gestada por Bolsonaro remonta ao período da ditadura em 1977, quando o presidente Ernesto Geisel demitiu o ministro Sylvio Frota. Frota, que na ocasião mirava a Presidência da República e era contra a proposta de abertura gradual de Geisel.

— Estamos diante de algo inédito e sem precedentes. A gente poderia de alguma forma evocar a demissão do ministro do exército Sylvio Frota. Mas com as ressalvas de que os paralelos são poucos, já que foi a saída de um ministro e não de toda cúpula militar.