Crise migratória no Reino Unido

Está há poucos dias no cargo, mas o novo primeiro-ministro do Reino Unido tem já em mãos uma crise para resolver.

O Governo de Rishi Sunak está a ser fortemente criticado dentro e fora do país pela forma como trata e se refere aos migrantes e àqueles que procuram asilo na Grã-Bretanha.

Exemplo disso, o centro de processamento de migrantes no aeroporto desativado em Manston, no condado de Kent, no sudeste de Inglaterra, está sobrelotado. Foi projetado para acomodar 1600 pessoas por um período máximo de 24 horas. No entanto, esta semana, alberga mais de 4000, onde se incluem crianças, e algumas estão ali há semanas, em condições precárias.

O Alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Türk, afirmou esta, quarta-feira, que as palavras da ministra britânica do Interior sobre uma alegada "invasão de migrantes" têm o efeito de desumanizá-los e envenena o debate sobre a questão da imigração.

"O povo britânico merece saber qual é o partido que está a falar a sério sobre parar a invasão na nossa costa sul e qual é o partido que não está. Cerca de 40.000 pessoas chegaram à costa sul só este ano", afirmou no Parlamento a ministra Suella Braverman.

A situação em Manston agravou-se, no início da semana, depois de receber 700 migrantes vindos de outro centro de processamento que foi atacado.

No domingo, um homem atirou um coquetel molotov contra um centro de migrantes em Dover.