Crise de semicondutores alimentada pela Covid-19 desgasta montadoras

·2 minuto de leitura
Vista interna de fábrica da Toytota.

Por Nick Carey

LONDRES (Reuters) - Grandes montadoras como Toyota e Volkswagen deram um desanimador alerta nesta semana ao darem evidências novas de que a indústria automotiva está mergulhada na escassez de chips semicondutores que não dá sinais de que diminuirá.

Após serem forçadas a fechar fábricas ano passado por causa da pandemia, as fabricantes enfrentam forte concorrência da indústria de bens de consumo eletrônicos, em meio a uma cadeia de fornecimento que sofre interrupções.

O problema acontece enquanto casos de Covid-19 crescem em países asiáticos sedes de fábricas de carros e chips, como Japão, Filipinas, Tailândia, Vietnã e Malásia, o que gera restrições mais rígidas para conter a disseminação do vírus.

A japonesa Toyota, graças a uma política de estocar chips desde o terremoto de 2011 e do desastre nuclear de Fukushima, tinha conseguido evitar que sua produção fosse interrompida.

Mas a maior montadora do mundo em volume de vendas disse nesta quinta-feira que cortará a produção global para setembro em 40% em relação ao plano anterior, o que afeta 14 fábricas no Japão e outros locais, incluindo na América do Norte.

Os automóveis estão cada vez mais dependentes de chips para tudo, do gerenciamento de motores por computador a uma economia mais eficiente de combustível ou recursos de assistência ao motorista, como freios de emergência.

A alemã Volkswagen também disse que não poderia descartar mais mudanças na sua produção. "No momento, esperamos que o fornecimento de chips no terceiro trimestre seja volátil e apertado", afirmou a montadora à Reuters.

A quarta maior montadora, Stellantis, afirmou que interromperá a produção numa fábrica na França na próxima semana e cortou a produção em outra fábrica no leste do país.

A Ford havia dito no começo da semana a suspensão temporária da fabricação da picape F-150, sua mais vendida, em Kansas City, e a chinesa Geely Automobile alertou que a piora recente na escassez dos chips e o ressurgimento de casos de Covid-19 podem ameaçar suas vendas nos próximos meses.

Embora a Volkswagen diga esperar que a situação melhore até o fim do ano, algumas montadoras alertaram que a crise dos chips se arrastará até 2022. Expectativas anteriores da indústria por uma solução rápida já foram frustradas há muito tempo.

Com várias linhas de produção automotiva norte-americanas paradas ao menos parcialmente, senadores democratas pediram mais ajuda ao governo de Taiwan para tratar da escassez de chips.

Mas mesmo quando um problema na cadeia de fornecimento é sanado, outros aparecem e inviabilizam um fluxo consistente de chips, o que faz com que as fabricantes acabem desviando os componentes disponíveis para os negócios mais lucrativos.

((Tradução Redação São Paulo))

REUTERS AAP

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos