Cristiano Ronaldo explode contra o Manchester United e Erik ten Hag: 'Me senti traído'

Em mais um capítulo do cada vez mais espinhoso relacionamento entre Cristiano Ronaldo e o seu clube, o Manchester United, comandado pelo holandês Erik ten Hag, o português deu entrevista bombástica à TV britânica. Em conversa com o humorista e apresentador Piers Morgan, o gajo diz que se sentiu traído.

— Me senti traído. Senti que algumas pessoas não me queriam lá. Não apenas esse ano, mas no ano passado também — diz o jogador em prévia da entrevista, que vai ao ar na quarta-feira.

O jornal "The Sun" também divulgou trechos da conversa. Neles, Cristiano dispara críticas ao clube e a Ten Hag. Sobrou até para Ralf Rangnick, ex-treinador interino da equipe e conhecido pela passagem desastrosa em Old Trafford.

— Se você não é nem treinador, como vai comandar o Manchester United? Eu nunca tinha ouvido falar dele — criticou Ronaldo, que também não poupou palavras ao falar do atual comandante, que o suspendeu no mês passado, após ele se recusar a entrar em campo numa partida:

— Não o respeito porque ele não mostra respeito por mim. Se (alguém) não me respeitar, eu nunca vou respeitar (de volta).

Nos trechos divulgados, Ronaldo afirmou acreditar que foi transformado em uma "ovelha negra" dentro do clube. Ele também fez críticas à estrutura e problemas internos dos Diabos Vermelhos.

— O progresso foi zero. Desde que Sir Alex (Ferguson, ex-técnico e ídolo do clube) saiu, nada mudou. Os torcedores têm que saber a verdade. Quero o melhor para o clube, foi por isso que vim. Mas algumas coisas internas não ajudam a chegarmos no topo como o City, o Liverpool e até o Arsenal. Um clube com essa dimensão deveria estar no top 3. Infelizmente, não está.

O jogador também falou sobre a perda de um dos filhos gêmeos em complicações no parto de sua esposa, Georgina Rodríguez, em abril. Ele justifica a perda da pré-temporada com a necessidade de acompanhar a filha recém-nascida, que precisou ficar hospitalizada, bem como Georgina, fragilizada.

Aos 37 anos e focado na disputa da Copa do Mundo do Catar por Portugal, a partir do próximo dia 20, CR7 promete deixar tudo resolvido quando voltar a Manchester. E não tem medo das consequências da entrevista.

— Como Picasso disse, você tem que destruir para reconstruir. Se eles querem começar por mim, não tem problema. Eu amo o Manchester United, os torcedores estão sempre do meu lado. Mas se querem fazer diferente, têm que mudar muitas, muitas coisas.