Cristiano Ronaldo explode contra o Manchester United e Erik ten Hag: 'Me senti traído'

Em mais um capítulo do cada vez mais espinhoso relacionamento entre Cristiano Ronaldo e o seu clube, o Manchester United, comandado pelo holandês Erik ten Hag, o português deu entrevista bombástica à TV britânica. Em conversa com o jornalista e apresentador Piers Morgan, o gajo desabafou como não havia feito até agora.

— Me senti traído. Senti que algumas pessoas não me queriam lá. Não apenas esse ano, mas no ano passado também — diz o jogador em prévia da entrevista, que vai ao ar na quarta-feira.

O jornal "The Sun" também divulgou trechos da conversa. Neles, Cristiano dispara críticas ao clube e a Ten Hag. Sobrou até para Ralf Rangnick, ex-treinador interino da equipe e conhecido pela passagem desastrosa em Old Trafford.

— Se você não é nem treinador, como vai comandar o Manchester United? Eu nunca tinha ouvido falar dele — criticou Ronaldo, que também não poupou palavras ao falar do atual comandante, que o suspendeu no mês passado, após ele se recusar a entrar em campo numa partida:

— Não o respeito porque ele não mostra respeito por mim. Se (alguém) não me respeitar, eu nunca vou respeitar (de volta).

Perda do filho e 'ovelha negra'

Nos trechos divulgados, Ronaldo afirmou acreditar que foi transformado em uma "ovelha negra" dentro do clube. Ele também fez críticas à estrutura e problemas internos dos Diabos Vermelhos.

— O progresso foi zero. Desde que Sir Alex (Ferguson, ex-técnico e ídolo do clube) saiu, nada mudou. Os torcedores têm que saber a verdade. Quero o melhor para o clube, foi por isso que vim. Mas algumas coisas internas não ajudam a chegarmos no topo como o City, o Liverpool e até o Arsenal. Um clube com essa dimensão deveria estar no top 3. Infelizmente, não está.

O jogador também falou sobre a perda de um dos filhos gêmeos em complicações no parto de sua esposa, Georgina Rodríguez, em abril. Ele justifica a perda da pré-temporada com a necessidade de acompanhar a filha recém-nascida, que precisou ficar hospitalizada, bem como Georgina, fragilizada.

Aos 37 anos e focado na disputa da Copa do Mundo do Catar por Portugal, a partir do próximo dia 20, CR7 promete deixar tudo resolvido quando voltar a Manchester. E não tem medo das consequências da entrevista.

— Como Picasso disse, você tem que destruir para reconstruir. Se eles querem começar por mim, não tem problema. Eu amo o Manchester United, os torcedores estão sempre do meu lado. Mas se querem fazer diferente, têm que mudar muitas, muitas coisas.