Crivella fala em 'recompor' acervo do Museu Nacional e causa revolta

Valter Campanto/Agência Brasil

A nota oficial emitida pelo prefeito do Rio, Marcelo Crivella sobre o incêndio no Museu Nacional repercutiu mal.

Em sua fala, Crivella menciona um projeto de reconstrução do palácio e recomposição de cada “detalhe”.

LEIA MAIS: 

‘É como se deixassem o Louvre ou o Museu Britânico em situação de miséria’, diz procurador da República

“O dano é irreparável”, diz diretor do Museu Nacional

Em seu texto, o prefeito ainda menciona a “lembrança da família imperial”, sem citar o acervo de mais de 20 milhões de itens, que contava com Luzia, o mais antigo fóssil humano já encontrado no país.


Trágico incidente que destruiu um palácio marcante da nossa história. É um dever nacional reconstruí-lo das cinzas,…

Posted by Marcelo Crivella on Sunday, September 2, 2018

Na página oficial do prefeito, internautas questionaram a impossibilidade de “reconstrução” de materiais únicos na História de várias civilizações.

“Não se reconstrói informação paleontológica de fósseis, prefeito”, disse um; “Reconstruir o acervo do museu. Só mesmo uma pessoa que não tem a menor idéia do que se trata para falar um asneira dessa. Não tem o que dizer fique calado”, revoltou-se um outro.

No Twitter, o deputado federal e presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ), também mencionou a reconstrução do palácio sem citar a tragédia que se configura com a perda do acervo: “Vou batalhar para trazer recursos do orçamento federal e procurar grandes empresas para a reconstrução imediata deste museu, um patrimônio histórico de todos os brasileiros”.

Seguidores do parlamentar rebateram a fala de Maia. “Como se reconstrói 200 milhões de itens históricos?”, questionou um; “Só se você montar uma máquina do tempo. Você e os senadores do Rio de Janeiro têm as cinzas do Museu Nacional nas mãos”, disparou outro.