Crivella pede desculpas por 'excessos' após xingar Doria em vídeo

Filipe Vidon
·2 minuto de leitura

RIO - O prefeito do Rio de Janeiro e candidato à reeleição, Marcelo Crivella (Republicanos), emitiu uma nota pedindo desculpas ao governador de São Paulo, João Doria, por xingar ele de "viado e vagabundo". A nota, enviada pela assessoria de Crivella, foi emitida na manhã seguinte ao vídeo se tornar público nas redes sociais e classifica as ofensas do prefeito como "excessos".

"A fala foi um momento de revolta pela OS reter o salário de médicos e enfermeiros, mesmo tendo recebido da Prefeitura. Em tempos de pandemia, isso pode custar vidas. Marcelo Crivella pede desculpas pelos excessos, e ao governador João Dória", declarou.

A fala foi gravada em uma reunião com filiados a seu partido político que disputaram a eleição para vereador, na noite desta quarta-feira, na Barra da Tijuca, no Rio. Um dos presentes registrou em vídeo o trecho em que Crivella se exalta e publicou no Facebook.

Na manhã desta quinta-feira, João Doria se pronunciou pela primeira vez sobre o caso e lamentou que "um pastor que deveria ser um exemplo, faça ataques, use palavrões". O governador de SP ainda afirmou que Crivella "se apequena e lamentavelmente encerra seu ciclo de forma melancólica".

Quando uma espectadora criticou organizações sociais que atuam na área da Saúde, Crivella respondeu: "Eu entrei na Justiça contra esses vagabundos. Tinha dinheiro pra pagar aos funcionarios, eles pegaram e pagaram fornecedor, que tinha que pagar dia 10 de dezembro. E faltou dinheiro. Todas essas OSs (inaudível)... Sabe de quem é essa OS de São Paulo? É do Doria. Viado! Vagabundo!". Veja o vídeo:

Em entrevista ao GLOBO durante o primeiro turno, ao ser questionado pela atuação dos "guardiões do Crivella" - grupo de apoiadores, entre eles funcionários da prefeitura, que hostilizavam jornalistas na porta de hospitais municipais - , o prefeito respondeu que não tinha o hábito de proferir xingamentos:

- Peço que encontre uma vez que eu tenha xingado, criticado alguém. Os políticos têm momentos em que perdem a paciência, que se ofendem, que brigam, berram, chamam de ladrão, vagabundo, safado... Eu nunca fiz isso.