Cronograma de pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial terá datas mais espaçadas

Geralda Doca
Objetivo da Caixa é evitar aglomerações em agências para retirada do auxílio emergencial

BRASÍLIA - O cronograma de pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 terá datas mais espaçadas para evitar filas e aglomerações de pessoas. Segundo o presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, o calendário será diferente da primeira parcela em que nascidos em janeiro e fevereiro receberam num dia e nascidos em março e abril, no seguinte e assim em diante. Beneficiários do Bolsa Família e trabalhadores informais que tiverem o crédito em poupança digital também receberão em dias distintos.

Segundo técnicos do governo, o novo cronograma deve ser anunciado nessa quinta-feira pela Caixa e pelo Ministério da Cidadania. A segunda parcela do auxílio será paga em maio e a terceira, em junho.

Guimarães explicou que as pessoas que fizeram o cadastro no aplicativo da Caixa e que ainda não tiveram o pedido aprovado poderão receber duas parcelas ou mesmo três de uma só vez, dependendo do tempo de análise dos dados e autorização do pagamento:

— Quem eventualmente for cadastrado e tiver o pagamento aprovado após o cronograma da primeira parcela terá direito às três parcelas. Todos os brasileiros receberão três parcelas — disse Guimarães.

No caso do crédito em poupança digital, o dinheiro ficará acumulado na conta se a pessoa não movimentar os recursos — o que pode ser feito pelo aplicativo Caixa Tem e poderá ser sacado em até 90 dias. Depois deste prazo, os recursos retornam para o governo.

Guimarães reiterou que aguarda uma nova remessa de cadastros aprovados pela Dataprev e Ministério da Cidadania para iniciar, em dois dias úteis, uma nova rodada de pagamentos do auxílio para pessoas que aguardam a primeira parcela. A Dataprev informou que enviará, ainda nesta semana, o resultado da análise de um milhão de requerimentos de trabalhadores informais e mais um lote de cadastros finalizados nos últimos dias no fim de semana. A Caixa recebeu ao todo 51,1 milhões de cadastros.

Redução das filas

Ao fazer um novo balanço sobre o movimento nas agências da Caixa, nesta quarta-feira, Guimarães afirmou que houve uma redução significativa das filas em todo o país. Em uma transmissão na rede social, ele mostrou fotos de 28 agências consideradas mais movimentadas, onde as filas acabaram até às 09h30, como em Bangu e Méier, no Rio.

Todas as 4.200 agências da Caixa estão abrindo com duas horas de antecedência, às 8h, desde segunda-feira. Além disso, a Caixa fez parcerias com cerca de 500 prefeituras e contratou vigilantes para ajudar na organização das filas, além de atendentes para auxiliar no saque nos terminais eletrônicos.

— Continuamos realizando um volume grande de pagamentos e conseguimos uma redução muito grande a eliminação de filas em todas em quase todas as 4.200 agências da Caixa, em especial a partir das 10h. Não há necessidade de chegar de madrugada e muito menos no dia anterior — disse Guimarães.

Ele repetiu que o pior já passou porque a maior parte dos pagamentos já foi feita, inclusive para informais que vão sacar os recursos na Caixa e necessitam de ajuda. Na segunda e terça-feira, a Caixa pagou o auxílio para mais de um milhão de trabalhadores. Nesta quarta-feira, o público atendido foi estimado em 700 mil pessoas.

Ao todo, a Caixa pagou o auxílio para 50 milhões de pessoas, totalizando R$ 35,5 bilhões. Os pagamentos começaram em 09 de abril.