Cambridge Analytica decide afastar CEO após vazamento de dados do Facebook

Londres, 20 mar (EFE).- O conselho de direção da consultoria britânica Cambridge Analytica anunciou nesta terça-feira o afastamento de seu executivo-chefe, Alexander Nix, após o escândalo revelado pela imprensa de que a empresa está por trás do vazamento de milhões de dados de usuários do Facebook.

Nix apareceu em imagens registradas com uma câmera secreta pela emissora britânica "Channel 4". Nas gravações, ele oferece a possibilidade realizar armadilhas para políticos opositores.

"Na opinião do conselho, os recentes comentários de Nix, gravadas em segredo pelo 'Channel 4', e outras acusações, não representam os valores nem as operações da empresa", afirmou a Cambridge Analytica em comunicado divulgado em seu site.

O conselho da empresa, que teve Steve Bannon, ex-assessor do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como membro até agosto de 2016, anunciou que nomeou Alexander Tayler como CEO interino.

A Cambridge Analytica também informou que abriu uma investigação independente para avaliar as revelações feitas pela imprensa.

"O conselho supervisionará a situação de perto e trabalhará ao lado de Tayler para garantir que os valores da empresa sejam protegidos e que estamos oferecendo um serviço da mais alta qualidade aos clientes", completou a nota.

Os jornais "The New York Times" e "The Observer" revelaram que a Cambridge Analytica obteve em 2014 dados de mais de 50 milhões de usuários do Facebook, utilizando essas informações para criar um programa para influenciar na campanha eleitoral vencida por Trump.

O órgão responsável pela proteção de dados dos usuários no Reino Unido anunciou hoje que pediu uma ordem judicial para investigar os computadores da companhia, uma resposta à falta de cooperação da Cambrigde Analytica em relação ao caso que apura as denúncias.

A polêmica sobre a empresa cresceu após a divulgação de imagens do CEO afirmando que pode oferecer uma "enorme quantia" de dinheiro a um candidato para bancar sua campanha e ter "tudo gravado" para poder manipulá-lo depois da vitória no pleito.

"Nós somente colocamos a informação na internet e vemos como ela vai crescendo. De vez em quando, damos um pequeno empurrão com um comando a distância. Isso tem que ocorrer sem que ninguém pense que é propaganda", explicou Nix nas imagens gravadas pelo 'Channel 4' com câmeras secretas. EFE