Cruzeiro é absolvido na Justiça e escapa de punição em 'Caso Rony', na Fifa

Marcello Neves
·2 minuto de leitura

O Cruzeiro anunciou, nesta terça-feira, que o departamento jurídico do clube conseguiu retirar a Raposa do processo na Fifa, que envolvia outros três clubes e o atleta Rony, atualmente jogador do Palmeiras. Caso fosse punida, a Raposa poderia ficar banida de registrar novos atletas por até duas janelas de transferências.

Em 2020, o Cruzeiro foi incluído como réu no processo perante o Tribunal Arbitral du Sport (TAS), no qual foi pedida uma indenização de USD 10.000.000,00 (dez milhões de dólares) e a aplicação de sanções disciplinares. De acordo com o clube, foi realizada uma audiência internacional nos dias 18 e 19 deste mês, conduzida por um painel de três julgadores (um inglês, um italiano e um português) e foi decidido pela absolvição no caso.

O Cruzeiro foi comunicado na última semana o e não precisará pagar nenhum valor e muito menos terá que cumprir qualquer sanção. Ao site oficial do Cruzeiro, o presidente Sérgio Santos Rodrigues classificou essa vitória como a mais relevantes em nível internacional nos últimos meses.

“Esta foi mais uma grande vitória do nosso Departamento Jurídico, em um dos casos jurídicos mais relevantes em nível internacional para nós nos últimos meses. Esse processo se arrastava há algum tempo e estava cheio de pontas soltas. No entanto, com muito trabalho, dedicação e estudos minuciosos, os profissionais do nosso Jurídico conseguiram, com argumentos sólidos, mostrar que o Cruzeiro deveria ser absolvido. Ficam aqui nossos cumprimentos pelo belo trabalho exercido por toda a equipe”, parabenizou o presidente do Clube, Sérgio Santos Rodrigues.

Entenda o caso

A novela começou em 2018, quando o jogador deixou o Cruzeiro para reforçar o Albirex Niigata. A equipe japonesa sustenta que, na época, assinou com o atacante um acordo de um ano de empréstimo. Após esse período, haveria uma renovação automática para um vínculo efetivo por mais duas temporadas.

Porém, ao fim do primeiro ano no Japão, Rony deixou a Ásia e assinou com o Athletico-PR. O jogador alegava não existir o acordo de renovação e fechou vínculo com o time. A Fifa, inicialmente, entendeu que Rony descumpriu um contrato com o time japonês e, por isso, teria de pagar cerca de R$ 6 milhões, valor a ser acrescido ainda com 5% de juros mensais contabilizados entre março de 2019 até a data do pagamento.