Cruzeiro atracado no Rio tem cerca de 20 casos de Covid confirmados

·3 min de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A Secretaria Municipal de Saúde do Rio afirmou que há por volta de 20 casos confirmados de Covid-19 no navio MSC Preziosa, que está atracado no porto da cidade desde a manhã deste domingo (2). Segundo a pasta, todos os pacientes estão cumprindo isolamento a bordo da embarcação.

"O Centro de Informação Estratégica em Vigilância em Saúde (CIEVS) do município já recebeu e analisou o livro médico de bordo e realizará a investigação epidemiológica em conjunto com a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e a Secretaria de Estado de Saúde assim que a embarcação estiver devidamente atracada, a fim de determinar o cenário epidemiológico da embarcação e tomar as medidas de prevenção e controle", afirmou, em nota, a secretaria.

Já a MSC Cruzeiros disse que as pessoas com Covid representam 0,6% da população total do navio e que todos os casos são assintomáticos ou têm sintomas leves.

"De acordo com o protocolo, os casos confirmados são desembarcados de forma segura para que retornem para suas casas ou fiquem em hotéis para fazerem o período de isolamento necessário", disse a empresa, acrescentando que a viagem do MSC Preziosa segue normalmente com destino a Ilhéus, na Bahia.

A exemplo do que ocorre no navio, outros cruzeiros também estão enfrentando um surto de Covid. Na quinta-feira (30), a Anvisa interrompeu as atividades do Costa Diadema após 68 casos da doença terem sido confirmados, sendo 56 entre tripulantes e 12 entre passageiros. A viagem tinha previsão para ser concluída em 3 de janeiro.

Já o cruzeiro da MSC Splendida, que teria como destino o Rio de Janeiro, teve que atracar no porto de Santos na quarta-feira (29) após aumento de casos de Covid observados entre os tripulantes. No total, 51 tripulantes e 27 passageiros testaram positivo.

Nas redes sociais, os passageiros, que precisaram ficar confinados no navio, disseram que a embarcação estaria com falta de alimentos e de limpeza. "A alimentação, se não for pedida (ramal sempre ocupado) não está chegando até nós. Quando chega está fria. Hoje pela manhã recebi este café da manhã. Não temos escolha. Ou comemos isso ou não comemos nada", escreveu na sexta-feira (31) a passageira Viviane Cardoso.

Já a passageira Thalita Leme, que testou positivo no navio e já desembarcou, escreveu em um grupo no Facebook que os passageiros não estão recebendo atendimento médico adequado.

"O rapaz da cabine do lado queimando de febre, pediu uma dipirona, levou mais de cinco horas, só deram depois de muito escândalo que ele fez, não tivemos observação de um médico sequer, não ligavam nem pra perguntar se estávamos bem, comíamos a hora que resolviam dar e o que resolviam dar, tudo frio, resto de coisa... Foi um pesadelo", escreveu.

Em nota, a empresa afirmou que o cancelamento do cruzeiro se deu em razão do impacto causado no roteiro programado, diante do retorno do navio para Santos. A MSC Cruzeiros também disse que "está dando suporte aos hóspedes, incluindo logística e hospedagem, conforme necessidade e demanda".

A companhia não esclareceu o que pode ter provocado o surto de Covid-19 na embarcação e disse que foi identificado "um número limitado de casos". A MSC Cruzeiros também não se manifestou a respeito das reclamações de negligência entre os passageiros.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos