Cuba põe em isolamento todos os turistas para contra a COVID-19

Funcionários usam máscaras para se prevenir da COVID-19, enquanto atendem turistas no aeroporto Internacional José Martí em Havana, 13 de março de 2020

Com as fronteiras parcialmente fechadas, Cuba vai isolar a partir de terça-feira em hotéis e hospedarias 32.000 turistas estrangeiros como forma de prevenir a COVID-19, enquanto aguardam voos para voltar aos seus países, informou nesta segunda-feira (23) o primeiro-ministro, Manuel Marrero, à TV estatal.

"Todos os turistas que ainda permanecem nos hotéis estão em condição de isolamento (...) Não podem sair dos hotéis. Se virmos pessoas na rua, serão tomadas medidas para que retornem ao seu hotel", disse Marrero.

Apesar de o turismo ser um importante motor econômico da ilha, por causa da pandemia só vão entrar no país a partir de terça-feira os cidadãos residentes, enquanto os visitantes deverão sair gradativamente, segundo a disponibilidade de voos.

Muitos turistas lotaram o aeroporto de Havana nesta segunda, ansiosos por encontrar um voo de volta aos seus países, quando a maioria dos assentos estavam ocupados e algumas companhias começaram a suspender suas conexões, constatou a AFP.

Na ilha foram detectados até o momento 40 casos do novo coronavírus, todos importados ou por contato com pessoas infectadas. Segundo as autoridades de saúde, ainda não há contágio comunitário em Cuba.

O único falecido na ilha pela COVID-19 foi um turista italiano que já tinha chegado doente.

As medidas de prevenção incluem a suspensão de excursões de aluguéis de carros. Dos 32.000 estrangeiros que ainda estão na ilha, 9.400 estão alojados em casas e quartos privados. Dois terços deles em Havana.

O governo assegurou que vai transferir gradualmente os turistas destes alojamentos a hotéis, respeitando as tarifas.

Marrero também anunciou nesta segunda a suspensão das aulas por um mês, assim como a regulação de saídas dos cubanos que estão na ilha com a finalidade de "cuidar de sua saúde".