Cuba prende opositor três dias antes de manifestação proibida

·1 min de leitura
(Arquivo) O dissidente cubano Guillermo Fariñas (AFP/JOHN THYS)

O dissidente Guillermo Fariñas foi preso nesta sexta-feira em Santa Clara, Cuba, três dias antes de uma manifestação opositora proibida pelas autoridades do país, informou sua mãe à AFP.

"Eles o levaram por volta das 14h10", disse Alicia Hernández por telefone, acrescentando que o filho, 59, está em tratamento com antibióticos contra uma infecção urinária. “Uma ambulância e duas patrulhas o levaram para o hospital. Fui informada de que amanhã um promotor irá visitá-lo para acusá-lo, mas não sabemos por quê."

A prisão de Fariñas ocorre três dias antes de uma manifestação opositora programada para segunda-feira para exigir a libertação dos presos políticos. O protesto foi proibida pelas autoridades, as quais consideram que seus organizadores querem provocar uma mudança de regime com o apoio de Washington.

Guillermo Fariñas fez 23 greves de fome na década de 2000 para protestar contra o governo, o que afetou significativamente a sua saúde. Psicólogo, jornalista independente e ativista dos direitos humanos, ele se integrou à União Patriótica de Cuba (Unpacu), organização opositora mais atuante, liderada por José Daniel Ferrer, que se encontra preso.

O governo cubano nega a existência de presos políticos na ilha e considera a oposição ilegal.

rd-ka/am/dg

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos