Cuidado com a pele: uma tradição que passa de geração em geração

Publieditorial
·3 minuto de leitura
Cuidado com a pele: uma tradição que passa de geração em geração (Foto: Arte/Nivea)
Cuidado com a pele: uma tradição que passa de geração em geração (Foto: Arte/Nivea)

*Conteúdo apresentado por NIVEA

Nossas experiências na infância e adolescência moldam os adultos que seremos. E os hábitos que nossos pais, avós, e irmãos maiores nos passam geralmente nos acompanham ao longo de toda a vida. E, muitas vezes, ativam nossa memória afetiva.

Leia também

Para a publicitária Gabriela Vera, de 25 anos, o cuidado da pele está conectado às lembranças das férias com o pai, Antonio, na praia. Foi ele quem a ensinou a tomar bastante cuidado com a minha pele — do protetor solar ao creme hidratante. “Meu pai sempre se cuidou, usava perfume e lembro de ele passando aquele NIVEA azul da latinha, sabe? E ele que cuidava de mim. Então, quando comecei a ficar mais velha, ele pegava no meu pé com a questão da hidratação”, lembra.

Para Antonio, a sensação de bem-estar trazida pelos hidratantes o motivou a seguir firme com o skincare ao longo dos anos e passar esse hábito para a filha, como uma forma de carinho e cuidado. “(O uso do hidratante) É uma cultura de pai para filha. Temos a pele muito sensível ao raios solares, frio e baixa umidade. Eu acho super importante usar o hidratante. Como sou calvo, tomo bastante cuidado com essa região. Também hidrato bastante os braços e as mãos”, comenta.

Ao longo dos anos, o skincare se tornou mais um ponto em comum que fortalece o vínculo entre pai e filha. Durante um intercâmbio nos EUA, Gabi se lembra de ter comprado seu primeiro NIVEA para matar as saudades do cheiro do pai. Na volta ao Brasil, também precisou adaptar sua rotina de cuidados com a pele, que sofreu com a mudança de clima e um diagnóstico equivocado como pele oleosa.

“Os produtos que estava usando começaram a me dar espinhas. E o meu pai falando, ‘usa NIVEA que vai melhorar’. Não achei que fosse dar certo, mas não é que adiantou? Ele ficou feliz da vida por ter me convencido e comprou um hidratante para mim, por que até então eu estava usando o dele”, lembra.

Já na família da ilustradora Kamilla Aguiar, 25 anos, a tradição do cuidado com a pele recomeça a cada geração. Para ela, a lembrança dos hidratantes NIVEA, que vem desde sua tia-avó, acabou se tornando parte de seu processo de crescimento.

“Minha tia-avó tinha o NIVEA Creme, aquele hidratante azulzinho e redondo, que você leva na bolsa. Esse hábito passou dela para as minhas tias e a minha mãe e, quando eu comecei a crescer e sair, ela me deu um para ter na bolsa também. É uma tradição já”, relembra.

Ela admite que não é tão rigorosa no skincare quanto a mãe. No entanto, o produto, que fornece hidratação extra por até 48 horas, se tornou seu queridinho para cuidar das tatuagens, onde a pele fica mais sensível e sofre com ressecamento. Mas, além da já reconhecida qualidade dos produtos NIVEA, para Kamilla, o que conta é a memória afetiva.

“É intuitivo, se eu for comprar um hidratante, eu compro o mesmo que minha mãe comprava, por causa do cheiro. NIVEA, para mim, tem cheiro de mãe”.