Cuidador de idosos é a profissão que mais cresceu no Brasil em 10 anos

 Cuidador de idosos é a profissão que mais cresceu no Brasil durante a última década. Foto: Getty Images.
Cuidador de idosos é a profissão que mais cresceu no Brasil durante a última década. Foto: Getty Images.
  • Cuidador de idosos é a ocupação que mais cresceu no país durante a última década;

  • Em dez anos, o número de profissionais na área pulou de 5.263 para 34.051;

  • Projeta-se que o Brasil tenha 39 milhões de idosos nos próximos dez anos.

Dados de levantamento realizado pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do Trabalho e Previdência, apontam que, nos últimos dez anos, a função de cuidador de idosos foi a que mais cresceu, pulando de 5.263 para 34.051, ou seja, um aumento de 547%.

Com os brasileiros vivendo cada vez mais, o ampliamento do mercado é um processo natural. Portanto, a busca por cursos de enfermagem e de cuidadores de idoso também cresceu substancialmente, informa O Dia.

Segundo o Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE), projeta-se que o Brasil tenha 39 milhões de idosos nos próximos dez anos.

Isso significa que o número total de pessoas com mais de 65 anos no Brasil será maior que o crianças até 2030.

Leia também:

Com esse aumento natural do setor de cuidadores, dúvidas sobre direitos e deveres da classe emergem. Nesses quesitos, tanto as atribuições quanto o perfil de quem exerce a função estão presentes somente na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO).

Ainda que normalmente a função fique a cargo dos profissionais da enfermagem, pessoas que fizeram cursos livres de cuidador, com duração de 80 a 160 horas, podem trabalhar na área, contanto que tenham mais 18 anos.

Ainda que não haja piso salaria definido para a classe, a remuneração pode variar segundo os cursos de especialização e as horas de trabalhos.

O CBO informa que a jornada de trabalho deve ser de tempo integral, revezamento de turno ou por períodos determinados.

Contudo, a remuneração média da área, que cumpre 8 horas diárias e 40 ou 44 horas semanais, geralmente é de R$ 1,2 mil, podendo atingir R$ 2 mil, a depender da região e da qualificação.

Enquanto isso, para o cuidador que trabalha durante a noite, o salário médio varia entre R$ 1,8 mil e R$ 4,5 mil, segundo dados de órgãos como a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia.

*Com informações do O Dia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos