Cunha já teria acordo para se livrar da cassação caso Temer assuma

Em caso de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), assume o vice Michel Temer (PMDB-SP). E, segundo Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, esse seria o começo de um processo que livraria Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, da cassação.

Atualmente, Cunha é réu da operação Lava Jato e alvo de investigação. Já foram encontradas contas com dinheiro ilegal em seu nome e, entre especialistas, a cassação do deputado federal é tida como muito provável. E aí que entraria a articulação do novo governo.

Segundo Bergamo, Cunha renunciaria assim que Temer assumisse sob o argumento de que o novo governo precisaria articular nova maioria no Congresso. Assim, ele seria suspenso pelo conselho de ética, mas manteria o cargo e garantiria foro privilegiado.

O suposto acordo, no entanto, ainda dependeria do Supremo Tribunal Federal (STF) para funcionar. Isso porque a Procuradoria Geral da República já pediu à última instância da Justiça brasileira que Cunha seja afastado imediatamente do cargo.

Henrique Meirelles na Fazenda

Ainda sobre um eventual governo de Michel Temer, a colunista da Folha afirma que Henrique Meirelles seria o escolhido para assumir o ministério da Fazenda. Também cotado para o cargo, Armínio Fraga estaria perdendo força.

Interlocutores de Temer teriam afirmado que a imagem de Fraga, ex-presidente do Banco Central no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), estaria muito ligado à do senador Aécio Neves (PSDB-MG), citado recentemente em delação da Lava Jato.