'Curiosamente, caem no nosso governo precatórios que vão para dois ou três estados oposicionistas', diz Guedes

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA - O ministro da Economia, Paulo Guedes, destacou na noite desta quarta-feira, em uma entrevista a uma rádio de São Paulo, que o grande aumento nos gastos de precatórios previstos para 2022 deve contemplar governos da oposição. Este aumento de gastos, segundo a pasta, inviabiliza os recursos necessários no Orçamento para o Auxílio Brasil, a nova versão do Bolsa Família.

-- (Precatórios de ações judiciais antigas, algumas iniciadas em 2002) Curiosamente caem sobre nosso governo e (vão) para 2 ou 3 estados que são oposicionistas. É evidentemente que não vou achar que é a politização da justiça, não vou achar, não posso acreditar nisso, mas eu tenho que pedir ajuda ao Supremo - disse o ministro.

Mais cedo, ele havia pedido "socorro"para o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux. Mas, na entrevista à rádio, indicou que os problemas dos precatórios são de governos anteriores:

- (Os precatórios) São meteoros emitidos em 2002, sobrevoaram dois governos do Fernando Henrique, dois governos do Lula, um governo e meio da Dilma, meio governo do Temer, três anos do nosso governo e de repente eles caem no ano eleitoral e uma boa parte desses gastos são R$ 10 bilhões para a Bahia, R$4 bilhões para o Ceará, R$ 2 bilhões para Pernambuco. E caem de repente e completamente sem previsão porque dos 10 últimos dias de prazo esses meteoros que foram lançados em 2002 - disse.

Ainda na entrevista, ele chegou a comentar a sugestão de alguns políticos de retirar os precatórios do teto de gastos, regra fiscal que impede o aumento das despesas do governo acima da inflação:

- Ai vem uma outra sugestão do TCU dizendo o seguinte, respeitem o teto. Se o Executivo é obrigado a respeitar o teto porque quando vem o comando do judiciário ele vai ficar fora do teto, ele devia também seguir o teto. Da mesma forma que quando vem o comando do Legislativo, por exemplo o Fundeb ficou fora do teto - afirmou.

E acrescentou:

- Agora o judiciário fica fora do teto, amanhã vamos fazer o auxílio emergencial fora teto. Vamos acabar com o teto então, eu acho muito bom, uma geração política que tiver coragem de assumir os orçamentos públicos não precisa de teto - concluiu Guedes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos