Com currículo anabolizado, Decotelli 'autoriza mentira' e coloca em xeque plataforma do CNPq

Grasielle Castro
Carlos Alberto Decotelli foi anunciado ministro da Educação na última quinta-feira (25), após reunião com o presidente Jair Bolsonaro. 

Desde que foi anunciado para o cargo de ministro da Educação na última quinta-feira (25), o ex-presidente do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) Carlos Alberto Decotelli teve que reescrever seu currículo algumas vezes. Anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro com exaltação ao CV cheio de títulos, ele foi acusado de plágio na dissertação de mestrado, reconheceu que não finalizou o doutorado e, nesta segunda-feira (29), a Universidade de Wuppertal, na Alemanha, afirmou que Decotelli não fez pós-doutorado por lá.

O desmonte do currículo, que estava público na plataforma Lattes do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), acendeu um alerta, especialmente para a comunidade acadêmica. Para o professor da Faculdade de Educação da USP (Universidade de São Paulo) Daniel Cara, a partir do momento em que a pessoa escolhida para comandar o Ministério da Educação desrespeita os trâmites acadêmicos, ela perde a possibilidade de assumir o cargo. “Há um veto moral. O governo vai precisar resolver essa questão”, diz.

O cientista social ressalta que o comportamento do futuro ministro soa como “um péssimo exemplo”. “Ministro da Educação é um gestor na área, tem que dar exemplo, fazer que o setor se fortaleça, tem o papel de inspirar as pessoas ao processo de ensino e aprendizado. É muito ruim um ministro da Educação autorizar a mentira. Com ele se tornando ministro, a mentira está autorizada.”

Especialista em direito penal e constitucional, Acácio Miranda da Silva Filho acrescenta que, por se tratar de um cargo de ministro da Educação, “mentir no Lattes” se torna extremamente grave. “O Lattes é uma plataforma vinculada ao próprio ministério que tem como viés informar quem são os pesquisadores, professores e a capacidade técnica de cada um. [Mentir] Acaba depondo contra sistema que organiza a plataforma educacional do País. Do ponto de vista da ética é extremamente...

Continue a ler no HuffPost