Cursos gratuitos na rede são arma contra o isolamento

Mariana Teixeira
Graziella Comunale é funcionária pública do TJ e faz curso on-line

RIO - Uma boa opção para ocupar o tempo e a mente — o que é recomendado por especialistas — neste período de isolamento social é a realização de cursos on-line. Algumas instituições, como a Fundação Getulio Vargas (FGV), com unidade em Botafogo, disponibilizam material gratuitamente.

A FGV tem 70 cursos disponíveis no portfólio em dez áreas diferentes, como direito, economia, educação, marketing e ciências de dados.

De acordo com a diretora de Soluções Educacionais da FGV on-line, Mary Kimiko, o número de acessos ao material gratuito na última quinzena de março superou a marca de 1,5 milhão. Antes do início da quarentena, os acessos chegavam a cerca de 56 mil. Mary explica que a escolha dos títulos disponíveis é feita a partir de um estudo de mercado:

— Fazemos uma análise de demanda nas diferentes regiões do país em que a FGV está presente.

YouTube é palco de oficina de teatro

Há também boas opções sem custo para crianças e jovens. A Produtora Constelar, responsável pela programação do Teatro PetroRio das Artes, no Shopping da Gávea, resolveu transformar as oficinas gratuitas e presenciais de artes cênicas em aulas on-line com profissionais especializados em plataformas digitais e redes sociais.

Há 120 crianças e adolescentes de comunidades da região matriculados no projeto, e a iniciativa digital permitirá que qualquer outra pessoa entre 8 e 16 anos participe das oficinas.

Desde a última semana de abril, os vídeos são liberados aos sábados, durante transmissão ao vivo no canal da Produtora Constelar no YouTube. As aulas ocorrem em dois horários: às 11h, para alunos entre 8 e 11 anos, sob o comando do professor Zé Helou; e ao meio-dia, para a faixa dos 12 aos 16 anos, com a professora Viviana Rocha. Após o fim da transmissão, o material fica disponível na playlist Oficina Teatro On-line do canal. Os conteúdos envolvem jogos, improvisação e criação de máscaras gregas, entre outros temas. Segundo Tatiana Trinxet, gestora cultural e diretora da produtora Constelar, nas primeiras semanas houve mil visualizações. A decisão de dar continuidade às oficinas de teatro foi baseada na importância do projeto para as famílias dos alunos matriculados.

— Criamos um sistema de comunicação via aplicativo de mensagem e medimos a aderência do nosso conteúdo por meio do envio dos exercícios propostos pelos professores, o que nos permite avaliar os alunos e responder a eles de maneira personalizada, para produzirmos as aulas seguintes de acordo com a necessidade da demanda — explica Tatiana.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)