Custo de guerra às drogas daria para vacinar 18 milhões contra a Covid-19

Alma Preta
·3 minuto de leitura
Policial em favela do Rio de Janeiro mira a arma em algum local.
Estudo revela o custo geral da aplicação da Lei de Drogas, por ano, nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

Texto: Juca Guimarães Edição: Nataly Simões 

Para aplicar a lei de Drogas, os estados de São Paulo e Rio de Janeiro gastam cerca de R$ 5,2 bilhões por ano, segundo um estudo inédito do CESeC (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania). O valor seria suficiente para comprar 36 milhões de doses de vacinas e garantir a imunização de 18 milhões de pessoas contra a Covid-19.

De acordo com a análise da Renata Neder, pesquisadora do projeto, a população pobre e periférica, sobretudo os negros, é a parcela da sociedade mais impactada pela dinâmica da chamada “Guerra às Drogas”. “Não apenas o proibicionismo institui como alvo prioritário da criminalização pessoas negras e pobres moradoras de favelas e periferias, como impõe, a essa mesma parcela da população, condições de vida precárias e sem acesso a direitos básicos", explica Renata.

(Infográfico por Alma Preta Jornalismo)
(Infográfico por Alma Preta Jornalismo)

Além disso, os efeitos dessa “guerra” são pequenos tanto na inibição do consumo como na prisão de grandes traficantes e produtores de drogas ilícitas. “A política de combate às drogas é ineficiente e tem muitos pontos negativos”, disse Renata.

São Paulo e Rio de Janeiro gastaram juntos 5,2 bilhões para aplicar a Lei de Drogas

Em São Paulo a taxa de pessoas presas é de 500,9 para cada grupo de 100 mil habitantes, sendo que 57% dos presos são negros. Em 2017, ano-base do estudo, a polícia matou 941 pessoas, dessas 64,6% eram negras. No Rio de Janeiro, a taxa de encarceramento é 305,8 pessoas por 100 mil habitantes, sendo 74% de negros. A polícia matou 1.127 pessoas no ano de 2017, dessas 77,1% eram negras.

(Infográfico por Alma Preta Jornalismo)
(Infográfico por Alma Preta Jornalismo)
(Infográfico por Alma Preta Jornalismo)
(Infográfico por Alma Preta Jornalismo)

“Em tempo de pandemia, teto de gastos, crise econômica e números alarmantes de homicídios e pessoas encarceradas, é urgente discutir o custo-benefício das atuais políticas públicas de segurança e justiça”, avalia Julita Lemgruber, coordenadora do CESeC e coordenadora geral do projeto "Drogas: Quanto Custa Proibir” e ex-secretária de Segurança Pública do Rio de Janeiro.

Política de combate às drogas criminaliza vidas negras

O historiador e co-fundador da Iniciativa Negra por Uma Nova Política sobre Drogas, Dudu Ribeiro, foi um dos consultores do projeto e lembrou que no Brasil a política de combate às drogas tem, desde o início, um viés de criminalização do povo negro.

“Uma lei de 1830, do Rio de Janeiro, sobre a maconha previa multa para fornecedores e prisão para escravos e outras pessoas que dela fizessem uso. Demonstrando, na letra da lei, a quem ela buscava perseguir. Inclusive, por incorporar no texto a expressão utilizada referente a pessoas escravizadas, relacionando com o hábito de fumar maconha” , pontua.

O estudo, que apontou os gastos totais de R$ 4,2 bilhões em São Paulo e de R$ 1 bilhão no Rio de Janeiro, levou em conta os dados orçamentários da Polícia Militar, Polícia Civil, Ministério Público, Defensoria Pública, Tribunal de Justiça, Sistema Penitenciário e Sistema Socioeducativo na aplicação da Lei de Drogas, que foi aprovada em 2006.

(Infográfico por Alma Preta Jornalismo)
(Infográfico por Alma Preta Jornalismo)

O que dizem os governos de São Paulo e dos Rio de Janeiro

A Alma Preta entrou em contato com os governos do Rio de Janeiro e de São Paulo para que comentassem os dados do levantamento e explicassem as políticas de combate às drogas. Segundo o governo fluminense, a política de segurança do Governo do Estado do Rio de Janeiro tem como objetivo preservar vidas e é baseada em prevenção, inteligência, investigação e tecnologia.

O governo do Rio também informou que, em fevereiro, foram registrados os menores números de crimes contra a vida em 30 anos, os homicídios dolosos caíram 25% quando comparado com o mesmo mês de 2020. Foram 246 vítimas em fevereiro deste ano contra 326 em fevereiro de 2020.

Também questionado, o governo paulista não respondeu até a publicação deste texto.