Custo de vida na Região Metropolitana de SP sobe 1,09% em março

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Photograph of a car being refueled at a gas station ( posto de gasolina).
Aumento do custo de vida na região metropolitana de SP foi puxado pela alta dos combustíveis
  • Custo de vida na Região Metropolitana de São Paulo aumentou 1,09% em março

  • Encarecimento tem ligação com alta nos preços dos combustíveis

  • No geral, em 2021 houve um aumento de 2,1% no custo de vida

Quem mora na Região Metropolitana de São Paulo viu o custo de vida aumentar em 1,09% no mês de março, segundo a pesquisa CVCS (Custo de Vida por Classe Social), da FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo. O aumento foi puxado pelos reajustes nos preços dos combustíveis e dos materiais de construção. As informações são da Exame.

Leia também:

A alta dos combustíveis levou a um aumento de 3,53% no grupo de transportes. No setor de habitação, o crescimento da demanda e a baixa de produtos de construção levaram a um aumento de 1,64%. Algo parecido acontece com os artigos domésticos, com alta de 1,41% puxada pela maior procura de produtos eletrônicos e pouca oferta por conta da falta de peças para reposição. 

No geral, em 2021 houve um aumento de 2,1% no custo de vida. Já no acumulado dos últimos 12 meses o crescimento é de 6,27%. A classe C é a mais afetada e viu o custo de vida aumentar 6,63%.

Alimentação e varejo

O setor de alimentação e bebidas fechou março em alta de 0,16% depois do aumento de 1,02% no mês anterior. As maiores quedas nos preços foram da cenoura (-14,73%), tomate (-13,96%) e laranja (-13,35%).

Apesar da queda, com a alta dos combustíveis o preço do grupo deve continuar em alta. No acumulado dos últimos 12 meses, o grupo é o mais inflacionado e teve um aumento de 11,76%, seguido por artigos do lar (11,47%) e transportes (9,01%)

Em março, o crescimento do do IPV (Índice de Preços no Varejo) foi de 1,96% em março, colaborando para o crescimento acumulado de 2021, chegando a 4,1%. No intervalo entre março de 2020 e de 2021, a variação já é de 11,37%.