Dívida bruta do Brasil recua em novembro ao menor patamar em quase três anos

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - A dívida pública bruta do Brasil teve em novembro mais um mês de redução, puxada por um resgate líquido de títulos e pelo crescimento nominal da atividade, apesar de um déficit primário registrado no mês, mostraram dados do Banco Central nesta quinta-feira.

O indicador caiu a 74,5% do PIB em novembro, de 75,1% em outubro, menor patamar desde dezembro de 2019 (74,4%), antes de a pandemia atingir o país e o governo federal disparar uma série de gastos emergenciais para combatê-la.

A queda do endividamento bruto foi determinada principalmente por um resgate líquido de 74,7 bilhões de reais de dívida no mês, o que contribuiu para um recuo do 0,8 ponto percentual na relação, segundo o BC.

O dado também foi afetado pelo efeito do crescimento do PIB nominal, que provocou uma redução de 0,5 ponto percentual na relação, segundo o BC. A alta nominal do PIB é guiada pela força da atividade, mas é também afetada pela inflação.

Já a dívida líquida, que engloba também os ativos do governo, ficou estável em 57,0% do PIB no mês passado.

Em novembro, o setor público consolidado brasileiro registrou um déficit primário de 20,089 bilhões de reais, pior que os 13,650 bilhões de reais de déficit esperados por analistas em pesquisa da Reuters.

O resultado foi inferior ao superávit de 15,034 bilhões de reais computado em novembro de 2021.

No mês passado, houve déficit de 16,254 bilhões de reais no governo central e rombo de 3,710 bilhões de reais nos Estados e municípios. O dado dos governos regionais é o pior para meses de novembro da série iniciada em 1991.

As estatais tiveram saldo positivo de 145 milhões de reais no mês passado.