Dólar sobe quase 1% com pressão por reajuste de servidores; volume baixo acentua movimento

·3 min de leitura
Notas de dólares e reais

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) -O dólar fechou o penúltimo pregão do ano em forte alta contra o real, em movimento exacerbado pela baixa liquidez, após novas mobilizações de funcionários públicos por aumentos salariais levantarem temores sobre mais gastos da União em 2022.

Depois de chegar a tocar 5,7010 reais no pico da sessão, o dólar à vista fechou em alta de 0,97%, a 5,6939 reais na venda, seu maior patamar desde o dia 21 deste mês (5,7394).

Na B3, às 17:35 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,15%, a 5,6930 reais.

Servidores das carreiras típicas de Estado decidiram nesta quarta-feira, em assembleia, promover dias de paralisação das atividades em janeiro e avaliar a realização de uma greve geral em fevereiro, em protesto pela falta de uma política de reajuste salarial do governo do presidente Jair Bolsonaro.

O anúncio dessas categorias --que vem depois de auditores da Receita Federal e fiscais agropecuários já terem iniciado mobilizações-- é mais uma reação à decisão do Executivo Federal de conceder aumentos no próximo ano apenas para categorias vinculadas às forças policiais, como a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal.

A pressão do funcionalismo por ajustes salariais tem gerado receios entre investidores sobre mais despesas da União no ano que vem, depois de o governo já ter aberto espaço fiscal --por meio da PEC dos Precatórios, que altera a regra do teto de gastos-- para financiar um programa de transferência de renda à população de 400 reais por família.

"Alertamos para o risco de aumentos nos salários de servidores ainda no início deste quarto trimestre, em meio às discussões sobre a abertura de espaço fiscal em decorrência da PEC dos Precatórios", disseram em nota analistas da Levante Investimentos.

"Esse deverá ser, além das eleições, um tema de estresse para os mercados -- em especial, nos primeiros meses de 2022. À medida em que os riscos para o quadro fiscal brasileiro vão escalando, a tendência é de reação negativa por parte dos investidores."

A credibilidade fiscal é um fator analisado por investidores estrangeiros na hora de direcionar recursos para um país, e, portanto, tem forte impacto na atratividade da moeda local.

Neste pregão, a baixa liquidez --com muitos operadores e investidores ausentes devido à aproximação do Ano Novo-- exacerbou as movimentações no mercado de câmbio, segundo Marcos Weigt, chefe de tesouraria do Travelex Bank.

A "briga" entre posições compradas e vendidas antes da formação da Ptax de fim de ano --que será na quinta-feira e tradicionalmente traz volatilidade aos mercados-- também está no radar de agentes do mercado.

A Ptax é uma taxa de câmbio calculada pelo Banco Central que serve de referência para liquidação de derivativos. No fim de cada mês, agentes financeiros costumam tentar direcioná-la para níveis mais convenientes às suas posições.

Com o desempenho desta sessão, a penúltima do ano, o dólar acumula agora alta de 9,68% em 2021.

Weigt, do Travelex, disse que o mercado de câmbio doméstico deve enfrentar desafios em 2022, principalmente a partir do início da corrida eleitoral, mas afirmou que o ciclo de aperto de juros do Banco Central deve dar suporte ao real.

"É muito caro ficar vendido em real com a taxa de juros tão alta", afirmou. A taxa Selic está atualmente em 9,25% ao ano, e a expectativa na mais recente pesquisa semanal Focus, do BC, é de que ela chegue a 11,50% em 2022.

Juros mais altos elevam a rentabilidade do mercado doméstico de renda fixa, o que tende a elevar o ingresso de recursos no Brasil e, consequentemente, beneficiar o real.

(Edição de Maria Pia Palermo e Pedro Fonseca)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos