Dólar fecha em alta de 2,40%, a R$5,2106

·1 minuto de leitura
Notas de dólar

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar disparou nesta terça-feira, registrando a maior alta diária em quase dez meses e cruzando a linha dos 5,20 reais, na máxima desde maio. A cotação foi alavancada pelo rali global da moeda norte-americana, em meio ao tombo nas commodities, e por dúvidas sobre a política monetária brasileira e consequências eventuais do tensionado ambiente em Brasília.

A pressão sobre o câmbio tem se intensificado --as altas diárias nas cinco sessões anteriores ficaram entre 0,15% e 1,37%. O dólar emendou a sexta alta consecutiva, mais longa série do tipo desde junho do ano passado.

Nesta terça, a moeda negociada no mercado à vista subiu 2,40%, a 5,2106 reais na venda. O ganho percentual é o mais forte desde 18 de setembro de 2020 (+2,77%). O patamar é o mais elevado desde 31 de maio (5,2254 reais).

Ao longo deste pregão, a cotação variou de 5,0757 reais (-0,25%) e 5,2135 reais (+2,46%).

O real teve o pior desempenho global nesta sessão e encabeçou uma lista de perdas liderada sobretudo por moedas de commodities (assim como a brasileira).

O dólar tinha um amplo rali, ganhando contra 30 de uma lista de 33 pares. O índice da moeda norte-americana subia 0,3% no fim da tarde, chegando a se aproximar de máximas em três meses. O mercado está em ampla expectativa pela divulgação na quarta-feira da ata da última reunião de política monetária do banco central dos Estados Unidos, que pode trazer pistas sobre possível redução de estímulos ou alta de juros por lá.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos