Dólar fica estável com holofotes do mercado voltados a emprego nos EUA

·4 minuto de leitura
Notas de dólar e real

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar à vista fechou praticamente estável ante o real nesta quinta-feira, colado pelo segundo dia consecutivo numa importante linha de suporte, conforme operadores evitaram grandes mudanças de posições à espera da divulgação na sexta de aguardados dados de emprego nos EUA.

O dólar à vista mostrou variação positiva de 0,01%, a 5,1829 reais. A moeda ficou novamente "presa" à sua média móvel de 50 dias, região a ser deixada para trás antes de novas quedas.

De toda forma, o câmbio teve uma performance visivelmente melhor que os demais mercados brasileiros.

"Eu diria que a posição técnica no real está muito limpa. Alguns locais desfizeram posição vendida em dólar nos últimos tempos, mas o dólar caiu (recentemente) porque o fluxo compensou", disse Roberto Serra, gestor sênior de câmbio da Absolute Investimentos.

"Se tiver janela de otimismo com o real a moeda vai se beneficiar bem. E acho difícil enxergar uma tendência de piora para o câmbio", completou o gestor, lembrando que o custo de carregamento de posições vendidas em real ficou bem mais caro com a perspectiva de que a Selic suba para além de 7% ao ano, dos atuais 5,25% e dos 2% (mínima recorde) que vigoraram até março.

Isso poderia explicar o mau desempenho da bolsa --em que posições compradas em ações eram comumente protegidas no câmbio-- em dia de dólar estável. O principal índice das ações locais caiu 2,28%, e os juros futuros chegaram ao fim da tarde sob forte pressão, com em altas de até 23 pontos-base.

O mercado cambial até acompanhou na parte da tarde a piora vista nas praças locais, de forma que o dólar deixou a mínima do dia --de 5,1429 reais, queda de 0,77%-- tocada por volta de 12h. Na máxima, batida ainda no meio da manhã, a cotação foi a 5,202 reais, alta de 0,37%.

Mas o dólar não chegou a firmar alta. A pressão de baixa sobre a moeda vinda do exterior limitou qualquer reação dos comprados aqui, com todas as atenções voltadas para a divulgação na sexta do relatório mensal de empregos nos EUA referente a agosto.

As atenções estão voltadas para esse documento desde o começo da semana, uma vez que os números podem mexer consideravelmente com expectativas do mercado sobre o momento em que o banco central dos EUA pode começar a cortar estímulos monetários. O "payroll" será divulgado na sexta-feira.

Esses estímulos, via compras mensais de 120 bilhões de dólares em títulos pelo Fed, na prática são sobra de liquidez que tem favorecido mercados de risco (como os emergentes) desde o ano passado, quando começou a pandemia de Covid-19. Uma redução das compras representaria menor liquidez disponível, efetivamente deprimindo novas ofertas de dólar e, assim, potencialmente elevando o preço da moeda.

Mas a expectativa é que o Fed ainda demore para anunciar o chamado "tapering", o que tem garantido nos últimos dias o clima favorável a ativos de risco, como o real e seus pares emergentes, em detrimento do dólar.

"Nossas previsões relativamente 'dovish' (que contemplam estímulos monetários) para o Fed, combinadas com o elevado 'valuation' (uma medida de avaliação de preço) do dólar e uma economia global em recuperação, sustentam nossa visão estruturalmente pessimista acerca da moeda", disse o Goldman Sachs em nota.

"Com a última onda de surtos da Covid possivelmente atingindo o pico, o dólar pode começar a se enfraquecer novamente contra pares cíclicos, mesmo que leve mais tempo para os mercados colocarem nos preços aumentos iniciais das taxas de juros do Fed." O real é considerado uma moeda cíclica, uma vez que se beneficia de ciclos de crescimento econômico brasileiro e global.

O que segundo analistas mais ameaça a taxa de câmbio no curto prazo é o cenário doméstico, com crises política e fiscal.

O Rabobank aumentou suas estimativas para o dólar ante o real ao fim deste ano e do próximo, citando uma "delicada" situação fiscal doméstica e ruídos políticos. O banco passou a projetar a moeda norte-americana em 5,20 reais ao fim de 2021, ante projeção anterior de 5,15 reais. Para o término do ano que vem, a estimativa é de dólar a 5,30 reais, ante 5,20 reais previamente.

O MUFG por ora mantém estimativa de dólar a 5,10 reais ao fim do ano, por enxergar algum alívio nas tensões, mas reconhece riscos de "concessões" do lado fiscal, com chances de algumas despesas ficarem fora do teto de gastos em 2022, ano eleitoral.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos