Da prisão, Gatinha da Cracolândia nega ser traficante: 'sou usuária'

·2 minuto de leitura
Lorraine Bauer, de 19 anos, conhecida como “Gatinha da Cracolândia”, é acusada de tráfico de drogas.
Lorraine Bauer, de 19 anos, conhecida como “Gatinha da Cracolândia”, é acusada de tráfico de drogas.
  • Jovem está presa desde julho

  • Polícia encontrou grande quantidade de drogas com ela no momento da prisão

  • Ela afirma estar sofrendo uma injustiça

Lorraine Bauer Romeiro, mais conhecida pelo apelido de "Gatinha da Cracolândia", declarou em entrevista que nunca vendeu drogas e que frequentava o Centro de São Paulo apenas como usuária.

A jovem de 19 anos está detida desde o dia 22 de julho, suspeita de participar de tráfico de drogas na região conhecida como Cracolândia, na capital paulista. Ela foi presa em Barueri, na Grande São Paulo. Segundo a polícia, na casa em que estava foram encontradas mais de 400 porções de crack, cocaína, maconha e ecstasy, além de quase 100 frascos de lança-perfume.

"Não [sou traficante]. Sou usuária. Tinha uns 14, 15 anos [na primeira vez que usou drogas]. Uma vez, me ofereceram maconha e acabei fumando. Eu acabei gostando da sensação, e aí, no outro dia, queria de novo e de novo. Foi aí que percebi que tinha virado dependente. Já usei bala, cocaína, lança-perfume e maconha", disse ela, em entrevista à emissora Record. "Nunca vendi, só ia para comprar", completou.

Leia também:

“Tudo que está acontecendo na minha vida é uma injustiça. Se eu estivesse pagando por coisas que eu fiz, estaria com o coração mais tranquilo. A pior coisa do mundo é ser acusada por coisas que você não fez. Nada daquilo era meu. Não sou chefe de crime de tráfico nenhum”, disse.

A suspeita ainda negou ter guiado a polícia até um hotel no bairro Santa Cecília, em São Paulo, onde encontraram uma mochila com 85 porções de maconha, 295 de cocaína e oito de crack.

Antes de ser presa, Lorraine usava de suas redes sociais para mostrar seu estilo de vida luxuoso. No Instagram, ela tinha mais de 30 mil seguidores. Após a prisão, uma série de perfis falsos surgiram e um deles chegou a acumular 20 mil seguidores.

"Eu sempre gostei muito de tirar foto, gravar vídeo. Eu criei meu Instagram e, como também era modelo, fazia ensaio de fotos, ia postando. Foi aí que comecei a ganhar bastante seguidor", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos