Da Terceirona ao topo da Europa: como Kanté conquistou títulos e corações no Chelsea

·3 minuto de leitura

Atual campeã mundial e vice-campeã europeia, a França estreia na Eurocopa, em junho, ostentando uma constelação de craques em seu elenco, com nomes como Pogba e Mbappé. Mas o último final de semana virou os olhos do mundo para um outro integrante desta seleção, dono de uma das histórias mais inspiradoras do futebol: o meio-campo N’Golo Kanté.

Em tempo de ostentação, dancinhas e papos de “boleiro” nas redes sociais, o volante de 30 anos, campeão e escolhido o melhor jogador das semifinais e da decisão da Champions League pelo Chelsea, se destaca pela discrição. A timidez, o sorriso largo e a humildade nas palavras, quase sempre optando pelo “nós” ao “eu”, escondem uma meteórica ascensão no esporte.

Com a vitória e a grande vitrine proporcionada pela Champions, torcedores pedem que Kanté seja escolhido o melhor do mundo em 2021 — já foi indicado à Bola de Ouro em 2017. A Eurocopa deste mês será decisiva para que o jogador mostre que pode, sim, conquistar um prêmio costumeiramente dominado por atacantes.

Começo tardio

Filho de imigrantes do Mali, Kanté cresceu em uma família grande, com quatro irmãs e três irmãos. Nomeado em homenagem a Ngolo Diarra, um ex-escravo que se tornou rei no Império Bamana, no Mali, no século XVIII, o jogador foi criado nos subúrbios de Paris, na comuna de Rueil-Malmaison. O pequeno N’Golo perdeu seu pai aos 11 anos, e desde cedo ajudou a família.

Apaixonado por futebol desde criança, o francês teve dificuldade para se estabelecer profissionalmente, muito por conta da estatura (1,68m). Começou nas categorias de base do pequeno Suresnes até conseguir, quase dez anos depois, uma vaga no Boulogne, então na segunda divisão francesa.

O volante faria a sua estreia aos 21 anos, na campanha de queda do clube à terceirona. Seguiu jogando na temporada seguinte até rumar ao Caen, da Normandia. As duas temporadas no clube, por onde conseguiu o acesso à elite francesa, chamaram a atenção dos olheiros do Leicester City, da Inglaterra. Essa transferência mudaria o rumo de sua história.

Ao lado do atacante Jamie Vardy, Kanté foi o protagonista de um conto de fadas: em 2016, o modesto Leicester superou gigantes ingleses e conquistou o título da Premier League. Baseada numa defesa sólida, a equipe de Claudio Ranieri tinha muita confiança em Kanté, um exímio desarmador e interceptador.

— Ele é um cara adorável, além de ser um futebolista fantástico. Quando perdíamos a bola, não importava o que acontecesse, “boom”, ele aparecia e ganhava ela de volta para nós. Nos treinos, a coisa era tão fácil para ele que eu me convenci de que ele entregava as bolas para ter o prazer de roubar de novo — disse Vardy, em uma entrevista ao jornal “L’Equipe”, em 2019.

Dinamismo e imposição física

De lá para cá, o estilo de Kanté não mudou. Pelo contrário, se aperfeiçoou. Mais dinâmico, dono de imposição física invejável e um quebrador de linhas no meio-campo, foi peça central de todos os técnicos que passaram pelo Chelsea desde que chegou ao Stamford Bridge. Não se destaca por gols — não tem nenhum nessa temporada — ou assistências, mas por um equilíbrio entre defesa, saída de bola e ocupação de espaços sonhado por grandes treinadores.

— Enquanto crescia, técnicos e companheiros me diziam que eu lembrava alguns jogadores. Mas sou apenas alguém que assiste futebol. Assistia aos jogos que me interessavam, mas não focava nos jogadores da minha posição — disse Kanté, ao site oficial da Uefa, quando perguntado sobre as comparações a grandes volantes franceses, como Makelelé e Diarra.

Foi no Chelsea que Kanté passou a empilhar títulos com os quais nem sonhava no início da carreira. Contratado em 2016, por 32 milhões de libras (R$ 237 milhões na cotação atual), seria campeão e melhor jogador da Premier League, o primeiro atleta a conseguir títulos ingleses seguidos por dois clubes diferentes desde o compatriota Eric Cantona, em 1993.

Pouco meses antes, havia conseguido a primeira convocação para a seleção francesa. No time de Didier Deschamps, viveu um sonho: após uma disputa de Euro alternando entre reservas e titulares, Kanté foi campeão do mundo em 2018 como titular em todos os jogos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos