Dados da PF mostram que cidadãos têm mais armas do que empresas e órgãos civis de segurança

Pixabay

Dados da Polícia Federal (PF) mostram que mais da metade das armas de fogo com registro no Brasil são de pessoas físicas, superando a soma de armamentos de empresas de segurança privada e de órgãos civis de segurança pública.

RECEBA AS PRINCIPAIS NOTÍCIAS DO BRASIL E DO MUNDO NO SEU WHATSAPP

As informações foram obtidas pelo portal UOL via Lei de Acesso à Informação, pedido em outubro de 2018, e mostram que 344 mil armas têm registro de pessoas físicas, enquanto 248 mil são de propriedade de segurança privada. Outras 85 mil estão em poder de órgãos públicos e lojas especializadas. Somadas, portanto, as empresas e órgãos públicos tem 333 mil itens.

Na última segunda-feira (14), o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto flexibilizando o Sistema Nacional de Armas (Sinarm) e dando direto à posse de até quatro pistolas por pessoa, sem necessidade de aprovação prévia da PF.

Leia mais:
Mourão diz que não vê decreto sobre armas como medida de combate à violência
Comunicado da PF diz que aumento do número de armas pode ter “nefastas consequências”

Além do Sinarm, há no Brasil um outro sistema de registro de armas, o Sigma (Sistema de Gerenciamento Militar de Armas), que é gerenciado pelo Exército. O Sigma serve para registro de armamentos militares e civis nas modalidades caçador, atirador e colecionador.

Rio Grande do Sul lidera

Ainda segundo o levantamento do UOL, o Rio Grande do Sul é o estado brasileiro com maior número de pistolas registradas por pessoas físicas – são 55 mil registros ativos.

Em 2005, quando houve o referendo que consultou sobre a possibilidade de veto à comercialização de armamentos no Brasil, o estado foi o que registrou o maior número de votos contrários à proibição – 87%. Já Roraima tem a menor população armada: 1.560 registros.