“Dahmer”: Conheça a história do serial killer vivido por Evan Peters

“Dahmer”: Conheça a história do serial killer vivido por Evan Peters
“Dahmer”: Conheça a história do serial killer vivido por Evan Peters

Nesta quarta-feira (21), a Netflix recebeu a série “Dahmer: Um Canibal Americano”, protagonizada por Evan Peters no papel do serial killer Jeffrey Dahmer.

Apesar de não ser documental, a história da série se baseia em um caso real, e um dos mais famosos do mundo do true crime, gênero que fala sobre crimes reais. Assim como a série, categorizada como imprópria para menores de 18 anos, a história do serial killer é cheia de detalhes grotescos.

Leia mais!

Jeffrey Dahmer nasceu no início dos anos 1960, no estado americano de Wisconsin, e é considerado um dos assassinos mais terríveis e famosos do mundo. Conhecido como o Canibal de Milwaukee, Dahmer matou 17 pessoas ao longo de sua vida, em um período de 13 anos.

Como boa parte dos serial killers, ele já dava sinais de que possuía uma natureza violenta, pois relatos apontam que ele torturava animais, e colecionava seus corpos para estudar as anatomias. O pai da Dahmer, inclusive, ensinou o jovem sobre como higienizar e conservar partes de corpos de animais, para que durassem um tempo maior. Estes conhecimentos ajudaram o assassino em série a praticar seus crimes no futuro.

Jeffrey Dahmer chegou a entrar para o exército, mas acabou expulso após ser acusado de drogar e estuprar dois colegas. Além disso, ele foi preso outras duas vezes por crimes de natureza sexual, que incluíam abuso infantil.

O primeiro assassinato de Jeffrey Dahmer foi cometido quando ele tinha apenas 18 anos. A vítima foi o mochileiro Steven Hicks, que foi sufocado e espancado com uma marreta, e posteriormente enterrado no jardim da casa do assassino.

O modus operandi do assassino se tornaria diferente nos crimes seguintes, mas Hicks já se encaixava no perfil das vítimas: pessoas fugitivas, traficantes de drogas ou viajantes, que se encaixam como pessoas que dificilmente seriam consideradas desaparecidas pelas autoridades.

Nos crimes seguintes, o modus operandi se tornou mais complexo, e o serial killer passava a estrangular as vítimas e abusar sexualmente dos cadáveres. Apenas quando os corpos começavam a apodrecer, Dahmer separava partes ainda em bom estado para cozinhar e comer, daí o título de canibal. Além disso, o assassino registrava tudo com fotografias, que eram expostas em seu apartamento.

Os crimes de Jeffrey Dahmer só foram descobertos em 1991, mas antes o descaso da polícia causou a morte de mais uma vítima. Um dos jovens atraídos por ele conseguiu fugir, e foi encontrado sem roupas vagando pelas ruas pela polícia. Mas as autoridades retornaram o jovem para a casa de Dahmer, que disse aos policiais que eles eram namorados.

Apenas meses depois, quando uma segunda vítima conseguiu fugir, Dahmer foi descoberto. No ano seguinte, o assassino foi julgado e condenado a uma sentença de 957 anos de prisão. No entanto, dois anos após ser preso, Jeffrey Dahmer foi morto por outros prisioneiros.

A história do serial killer já gerou diversas produções, entre livros, filmes e séries. Em 2017, foi lançado o filme “O Despertar de Um Assassino”, que foca na juventude do assassino.

Além de “Dahmer: Um Canibal Americano”, que chegou à Netflix nesta quarta-feira (21), o streaming também está prestes a estrear a série documental “Conversando com um serial killer: O Canibal de Milwaukee”, que chega em 7 de outubro.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!