Damares Alves: relembre as falas polêmicas da “ministra do silêncio”

Damares Alves já convocou uma coletiva para fazer voto de silêncio (SERGIO LIMA/AFP via Getty Images)

No dia 25 de novembro, data que representa o Dia Internacional de Luta pelo fim da Violência contra a Mulher, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, inovou ao ficar calada durante uma coletiva que ela própria convocou.

Incomodados com o silêncio da ministra, os jornalistas  ouviram da assessoria do ministério que a ministra estava atuando para “mostrar como o silêncio da mulher incomoda”.

Quando falou em público, Damares também causou surpresa, principalmente por suas posições sobre o homosexualismo e a gravidez, por exemplo. 

Leia também

O beijo gay entre Elsa e a Bela Adormecida

Damares, em maio deste ano, estourou nas redes sociais após aparecer em um vídeo em que dizia que a Princesa Elsa, da animação “Frozen” terminava sozinha no castelo  “porque é lésbica!”. Além do spoiler, a ministra afirmou que “o cão (diabo) é muito bem articulado e nós estamos alienados". Para a ministra, o personagem Elsa faz parte de uma conspiração do demônio. 

Não contente, tentou outro spoiler ao dizer que Elsa “vai acordar a Bela Adormecida com um beijo gay”. 

Azul para meninos e rosa para meninas 

Em um vídeo que circulou pouco após a posse da ministra, ainda em janeiro deste ano, Damares Alves afirma que sua posse significaria uma “Nova Era” no Brasil, em que “menina veste rosa e menino veste azul”. A polêmica logo virou piada na Internet que não perdoou a ex-pastora, em todos os cantos do país surgiam fotos de artistas, políticos e civis com as roupas “invertidas” à lógica de Damares. Posteriormente, a ministra recuou e disse que as pessoas deveriam vestir “azul, rosa, colorido, o que quiser”. 

Ministra terrivelmente evangélica

Em seu discurso de posse, a ministra tocou em pontos importantes como o infanticídio, o abuso sexual, a pedofilia e a pluralidade que haveria em sua pasta para defender os direitos da “família e da alegria”. Contudo, a declaração de que o “Estado é laico, mas essa ministra é terrivelmente evangélica” não foi reprovada por públicos de religiões distintas. No mesmo discurso ela disse que os meninos seriam tratados como príncipes, e as meninas, como princesas.

A ministra declarou que o Brasil vive uma ditadura gay (EVARISTO SA/AFP via Getty Images)

Brasil vive uma ditadura gay

Em uma das palestras da ministra neste ano, Damares declarou que o país vive uma “ditadura gay” e que "há uma imposição ideológica no Brasil. Quem não aceita, é perseguido". 

Gravidez é um problema de 9 meses

Ao se declarar contra o aborto, Damares Alves afirmou que “a gravidez é um problema que dura só nove meses”. Damares Alves ainda defendeu que o “aborto caminha a vida inteira com a mulher”, indicando que a questão perseguirá a mulher para sempre.